Pesquisar este blog

domingo, 18 de outubro de 2015

Sermão para o XXI domingo depois de Pentecostes



Corajoso e comovente sermão do padre espanhol Alfonso Gálvez para o Evangelho de hoje (Mt 18, 23-35), que pode ser lido aqui no original espanhol, no bom site Adelante la fé.

A homilia do padre Gálvez demonstra com eloquência o estado de espírito dos bons católicos que ainda creem na validade do antipontificado peronista diante da avalancha destruidora do bergoglismo: desolação, angústia, quase desespero. A imagem de que se vale é a do naufrágio do Titanic e dos músicos que continuam a tocar, absurdamente...

Bastaria, porém, considerar com maior atenção os signos dos tempos e veriam que tudo isso é uma farsa, que a Igreja continua protegida pelo Espírito Santo e que Jesus Cristo não mentiu ao chamar Cefas de Pedro.

Bergoglio é só mais um antipapa, e a revelação da farsa é só uma questão de tempo.

É possível que, com a deterioração do cenário eclesial, Bento XVI reavalie a situação e, diante do colapso da Igreja, resolva contar tudo o que sabe e desafiar as pressões, reassumindo as rédeas do pontificado. Que Deus o ilumine!

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.



21º Domingo depois de Pentecostes
(Mt 18: 23-35)
Embora o evangelho de hoje nos fale do perdão das ofensas, pôr-se a falar disso nestes momentos da Igreja seria como se uma cidade tivesse sido invadida por um bando de foragidos e o prefeito só se preocupasse em que se jogasse o lixo nos cestos adequados.
Está a Igreja em estado de sítio, e o ataque definitivo está prestes a acontecer. O que se está realmente tentando fazer é acabar com a fé da Igreja. No fundo, tentam criar uma nova igreja, uma nova religião; a religião do homem. Todas estas afirmações, embora possam parecer exageradas, nada mais são que a realidade; senão, vejamos os fatos: a ideologia do gênero, a indissolubilidade do matrimônio, o lobby gay no Vaticano. É uma autêntica infiltração diabólica nas mais altas esferas da hierarquia eclesiástica… E enquanto isso, como no Titanic, os músicos continuam tocando, como se nada estivesse acontecendo.
Ante todo este mal que nos rodeia, resta-nos a autêntica devoção á Eucaristia, o carinho à Virgem Maria…
Como no naufrágio do Titanic, os músicos continuavam tocando enquanto as caldeiras explodiam e o navio continuava afundando. Por fim, também os  músicos morreram, mas sua morte serviu para alguma coisa: para manifestar a justiça de Deus e também sua misericórdia… “E haverá um céu novo e uma terra nova onde residirá a justiça… Enxugará Deus as lágrimas dos olhos… e já não haverá morte”.

Infalibilidade manipulante


Em mais um vigoroso passo adiante na demolição da Igreja de Cristo, o antipapa rotariano insiste em seu último discurso na heresia de que o verdadeiro sujeito da infalibilidade na Igreja é o "povo de Deus", a cujo diktat devem curvar-se todas as outras instâncias eclesiais.

Em tempos de manipulação das massas em escala mundial, tal doutrina só pode vir de um canalha ou de um imbecil, ou de alguém que reúna os dois predicados, como o atual antipapa.

Como é possível não ver que atribuir infalibilidade às massas manipuladas é dar infalibilidade aos manipuladores, no caso, ó coincidência, figadais inimigos de Cristo e sua Igreja?

Cesare Baronio rides again


Com prazer anunciamos a volta à ativa de Cesare Baronio, o Cardeal virtual da Tradição italiana, em seu blog Opportune Importune. Em italiano, salpicado do mais puro latim.

Calado nos últimos tempos, Cesare Baronio faz de novo ouvir sua voz marmórea e ortodoxíssima num momento crucial da história da Igreja. Ele é o Bossuet da Web, mas sem perder o humor.

Como dizia Pascal diante dos casuístas jesuítas de seu tempo, há enormidades que só podem ser combatidas eficazmente com a ironia.

Se esse era o caso ante os relativamente tímidos precursores molinistas do antipapa rotariano, imaginem agora ante o elvis-bergoglismo hardcore das monsenhoritas, com ou sem peruquinha, reunidas no Sinédrio contra família para destruir válida, lícita, paterna e misericordiosamente a Igreja de Cristo, sempre num ambiente de respeito, cortesia e elegância!

Dá-lhe Baronio. ;))

sábado, 17 de outubro de 2015

Cardeal Danneels e a homossexualização de Deus

Danneels com o antipapa já no terraço de São Pedro no dia da eleição

Como informamos aqui, já há vinte anos Malachi Martin denunciava, em seu genial romance Windswept House, a máfia de Saint-Gall, sociedade secreta formada por altos prelados satanistas para derrubar, na época, João Paulo II - o que não conseguiram - e, mais tarde, Bento XVI, o que conseguiram, pelo menos em parte, ao forçarem sua renúncia e elegerem o antipapa peronista.

Hoje essa conspiração não é mais segredo, tendo já sido admitida abertamente por um dos seus chefes, o cardeal belga Danneels.

Como reconhecimento pelos serviços prestados na destruição da Igreja, Bergoglio nomeou Danneels para o Sinédrio contra a família. Nada mais justo. É a lei do cão, toma lá, dá cá. Já no terraço vaticano, logo depois do habemus papam, o sinistro Danneels aparecia ao lado de Bergoglio, como um abutre de mau agouro.

E eis que sai publicada agora a intervenção de Danneels no plenário do Sínodo (aqui).

Nela é levada a extremos inimagináveis a agenda do lobby gay bergogliano. O inefável purpurado belga, comprometido até o pescoço no acobertamento (pelo menos) de escândalos de pedofilia em seu país, propõe nada menos do que a homossexualização de Deus, já não mais apresentado como Pai, mas como mãe. E para completar o quadro e deixá-lo literalmente como o diabo gosta, sobre a verdadeira Mãe, Maria Santíssima, nem uma palavra. Tudo, é claro, em nome da "misericórdia".

Eis o texto:

O "lugar da misericórdia" é um espaço onde reina a ternura do coração, uma atmosfera que se assemelha ao calor do seio materno. É uma ternura que supera até a que reina na intimidade dos esposos. Onde habita Deus, a atmosfera é, de fato, de intimidade maternal: Deus escuta, fala, cura e cuida, perdoa como uma mamãe. Mesmo se para seu filho a situação é insolúvel, a mamãe descobre como ser mamãe.

Foi assim já em Sodoma, com os resultados conhecidos.


sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Acreditem se puderem: antipapa faz sermão contra a hipocrisia



Berggy é inesgotável.

Quando julgamos que já chegou ao fundo do poço, lá vem ele com mais uma para nos surpreender.

Desta vez, em sermão em Santa Marta, o antipapa peronista detona nada menos que... a hipocrisia dos que não falam claro. Acreditem se puderem (Fonte News.va).

A hipocrisia é a maneira de viver, de agir, de falar que não é clara. Talvez sorri, talvez é sério ... Não é luz, não é escuridão ... Move-se de uma forma que parece não ameaçar ninguém, assim como a serpente, mas tem o fascínio do claro-escuro. Tem o fascínio de não ter as coisas claras, de não dizer as coisas claramente; o fascínio da mentira, das aparências.

Melhor descrição de seu próprio discurso, impossível.


Mas, como sabemos, Berggy não liga a mínima para a coerência e faz questão de insultar diariamente a inteligência dos que o rodeiam.


Só nos resta rir para não chorar.

Aleluia: um prelado católico no Sínodo contra a família, Dom Tomasz Peta


Em meio às misericordiosas heresias e ao frufru das elegantes peruquinhas de tantas monsenhoritas que monopolizam o Sinédrio contra a família, eis que se ergue a voz católica de um prelado de verdade. É o que se pode ler em Voice of the Family , a quem o arcebispo deu a autorização para publicar a sua intervenção de três minutos do dia 10:

Disse o Beato Paulo VI em 1972:

"Por alguma brecha o fumo de Satanás entrou no templo de Deus".

Estou convencido de que foram proféticas essas palavras do Santo Padre, autor de "Humanae Vitae". Durante o Sínodo, no ano passado, "o fumo de Satanás" tentou entrar na aula de Paulo VI.

A saber:

1. A proposta de admitir para a Sagrada Comunhão os que estão divorciados e vivem novas uniões civis;
2. A afirmação de que a coabitação é uma união que pode ter em si mesma algum valor;
3. A defesa da homossexualidade como algo supostamente normal


Alguns padres sinodais não entenderam corretamente o convite do papa Francisco a uma discussão aberta e começaram a propor ideias que contradizem a bimilenar Tradição da Igreja , arraigada na Palavra Eterna de Deus. Infelizmente, ainda podemos sentir o cheiro desse "fumo infernal" em alguns artigos do Instrumentum Laboris e também nas intervenções de alguns padres sinodais este ano.

A meu ver, a principal tarefa de um Sínodo consiste em apontar mais uma vez para o Evangelho do matrimônio e da família, ou seja, aos ensinamentos de Nosso Salvador. Não é permitido destruir o fundamento - destruir a pedra.

Ilumine a todos nós o Espírito Santo, que sempre vence na Igreja, na busca do verdadeiro bem para as famílias e para o mundo.

Maria - Mãe da Igreja, rogai por nós!

- Tomasz Peta
Arcebispo de Astana (Cazaquistão)

É bem verdade que ainda se fazem ouvir aqui e ali na mensagem do valente prelado algumas notas em falsete, como quando se refere ao beato Paulo VI ou às incompreendidas boas intenções do antipapa, mas tudo isso se pode atribuir, com boa vontade, aos efeitos do fumaréu bergogliano que empesta a aula sinodal e entope as vias respiratórias do bom arcebispo.

A Igreja precisa hoje mais do que nunca de um líder que lhe devolva a unidade partida desde que Bento XVI cedeu às pressões bergoglianas e teve de se afastar do exercício ativo do ministério petrino.

E é do Cazaquistão que parece vir a voz mais autorizada para reunir o rebanho disperso pela alcateia do rotariano argentino.

Aliás, de Peta a Petra e Petrus a distância não parece ser muito longa.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Antipapa quase infarta ao saber de carta de cardeais contra a manipulação do Sínodo


Noticia o site jornalístico Affari Italiani que o antipapa teve um ataque de raiva misericórdia quando leu a carta dos 13 cardeais que reclamaram da manipulação do Sínodo contra a família. A pressão foi ao teto, com um ataque de taquicardia que exigiu a intervenção médica.

"Se é assim, podem ir embora. A Igreja não precisa deles, ponho todos no olho da rua!" teria dito, em sua infinita misericórdia, o antipapa rotariano, para quem, provavelmente, a ira é uma virtude.

É muito provável que tenha sido esse ataque de raiva misericórdia que esteja na origem da cilada armada contra Sandro Magister pelo antipapa, passando-lhe uma cópia adulterada e uma lista de cardeais signatários também incorreta  ( ver aqui, as últimas sobre o assunto por Sandro Magister).

É nesses momentos que o antipapa, a descoberto do escudo mediático destilado em Wall Street, engarrafado em Hollywood e distribuído em Roma, mostra seu monstruoso rosto de verdade.

Por outro lado, a ameaça antipapal não deixa de ser uma esperança: com esses 13 cardeais expulsos, poderia haver um recomeço de vida na Igreja, longe de Bergoglio e seus cardeais, com ou sem peruquinha.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Bergoglio: explicação alternativa


Um amigo meu neurologista veio com uma nova explicação para o comportamento errático e estapafúrdio do antipapa rotariano: Alzheimer.
Não tenho competência para discutir o diagnóstico.
Fica anotada a sugestão.

As propostas de Frei Betto e Cia para Bergoglio e o Sínodo contra a família


Aqui.
São elas: defesa do aborto, fim do celibato sacerdotal, ordenação de padras, comunhão para divorciados recasados e casamento gay.
O menu completo.
Só falta o canibalismo.

Dois padres, duas medidas

Arcebispo bergogliano Durocher

Um deles, o padre Nicholas Gregoris, acaba de perder as credenciais que lhe permitiam cobrir o Sínodo contra a família no Vaticano (aqui). A razão? Ousou lembrar ao arcebispo canadense Durocher a doutrina católica sobre o divórcio e a comunhão durante uma entrevista. Pecado mortal na igreja bergogliana, o padre foi posto no olho da rua sem mais explicações e sem direito sequer a um tête à tête com o nefando padre Lombardi, porta-voz oficial das mentiras vaticanas, mesmo sendo sacerdote católico com mais de quinze anos de serviço jornalístico no Vaticano.

O outro, padre Tony Adams, vive tranquilamente nos Estados Unidos com seu marido, com quem está casado há oito anos (aqui e aqui). A crer no que ele afirma, padre Adams jamais recebeu qualquer suspensão da parte do Vaticano ou de qualquer bispo, e percorre os Estados Unidos celebrando casamentos gays entre os seus fiéis católicos e dando entrevistas sobre os seus casos amorosos com bispos, entre elogios entusiasmados ao novo "pontífice".

Eis onde está o poder na igreja bergogliana.


domingo, 11 de outubro de 2015

Seria o antipapa realmente modernista?


Interessantes considerações críticas de um leitor anônimo de Benoît et moi (aqui) acerca de um recente artigo de Alessandro Gnocchi que ataca o "modernismo 3.0" do antipapa (aqui no original italiano ou aqui na tradução francesa) com as armas da encíclica Pascendi de São Pio X.

O autor do artigo nota com muita acuidade que há  contrassenso em assimilar o lixo doutrinal bergogliano ao modernismo que servia de alvo à encíclica Pascendi. Tal modernismo, a "heresia das heresias" segundo Pio X, definia-se pelo intelectualismo e pelo racionalismo, ao passo que o antipontificado bergogliano se caracteriza pelo fideísmo, pela incoerência e pelo ódio a tudo o que mesmo remotamente faça lembrar a inteligência.

Neste sentido, Bergoglio está nos antípodas de um Loisy ou mesmo de um Teilhard ou de um de Lubac.

Berggy está muito mais para Chacrinha que para Ernest Renan.

Não é preciso ser muito perspicaz para reparar que uma Igreja que tem como chefe Bergoglio e no primeiro escalão nulidades como Maradiaga e e o elegante Braz de Elvis não pode ser acusada de intelectualismo e racionalismo.

Já denunciamos várias vezes neste blog a preguiça intelectual que consiste em dilatar indefinidamente o conceito de modernismo para cobrir tudo o que de herético e grotesco se vem passando na Igreja nos últimos cem anos.

Isso é apagar todas as luzes e confundir tudo com tudo, justamente num momento de crise extrema, em que se faz necessária a máxima claridade. Como dizia o velho Aristóteles, e com ele o Doutor Angélico, só se desatam os nós que se veem.



sábado, 10 de outubro de 2015

Paul Claudel, a terra e a felicidade





Car il n'y a d'ordre qu'au ciel, il n'y a de musique sinon là que celle de ce monde empêche d'entendre,
Il n'y a rien sur la terre qui soit fait pour le bonheur de l'homme.

ou seja

Pois não há ordem senão no céu, não há música senão a que aquela deste mundo impede de ouvir,
Nada há na terra que seja feito para a felicidade do homem.

(Le soulier de satin, ed. Pléiade, p. 690).

Como o antipapa tenta destruir a família cristã

Bergoglio ensina a indissolubilidade do matrimônio a um casal de noivos

Minuciosa análise dos Motu Propio do antipapa, por meio dos quais foi destruído o casamento católico e aquilo que dele depende, a família: aqui, em inglês, no Remnant, por Christopher A. Ferrara.

Isso, é claro, na absurda hipótese de que o peronista rotariano seja um papa legítimo.

Hipótese a cada dia mais grotesca e ridícula.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Berggy perde o prêmio Nobel da paz mais uma vez


Não adiantou todo o puxa-saquismo e a subserviência: os luteranos homofílicos de Oslo negaram mais uma vez o prêmio Nobel da paz ao antipapa rotariano.
Não adiantou lamber o lobby gay, os protestantes, os evangélicos, os sionistas, os muçulmanos, os maçons, os neoconservadores americanos, os comunistas cubanos, os abortistas et caterva.
Frustração no Vaticano.
Vamos ter um ano de fortes emoções: o antipapa vai ser ainda mais vil este ano, mais rasteiro, para ver se garante esse prêmio que é, segundo dizem, uma obsessão para ele.
Conselho àqueles que acompanham o noticiário relativo ao antipapa: preparem os estômagos e tragam sempre um saquinho de papel pronto para emergências vomitivas.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Antipapa denuncia teoria da conspiração

Berggy é mesmo impagável.
Ontem, durante a sessão plenária do Sinédrio contra a família, o cardeal australiano Pell, tido como "conservador", denunciou que a escolha feita pelo antipapa da comissão encarregada do relatório final não havia sido neutra, e pedia que ela fosse trocada por membros eleitos pelo plenário. É o que se pode ler aqui.
Nisso, Berggy interrompeu a discussão, para denunciar, por sua, vez, uma "teologia da conspiração", segundo ele "fraca sociologicamente".
Quaquaquá!
Como se a revelação de um fato pudesse ser "fraca sociologicamente"! Ou um eclipse da Lua ser "fraco astronomicamente"!
Uma conspiração é um fato, não uma teoria. O clube de Saint_gall é um fato admitido por seus participantes e denunciado já em 1996 por Malachi Martin.
O que tem a "sociologia" a ver com isso?
Berggy é demais!
Além disso, mal sabe ele, no seu notório analfabetismo, que o mestre maior da sociologia francesa da segunda metade do século XX, Pierre Bourdieu, no fim da vida, lançou um livro-bomba em que denunciou a existência de uma máfia que controla tudo em nível planetário. Já falamos disso aqui.
Mas por que isso tudo? Por que essa intervenção intempestiva? Um papa nunca intervém num Sínodo. Antipapas, não sei, mas papas, até hoje, nunca.
Obviamente, o pânico é porque Berggy está ciente, muito mais do que todos nós, das falcatruas que estão por trás da inválida renúncia de Bento XVI e de sua ainda mais inválida eleição ao sumo pontificado.
A coisa está fazendo água por todos os lados e, se ainda poucos têm coragem de vir a público para dizer que o antipapa está nu, sabemos por experiência pessoal que o número de adeptos in petto da nulidade deste antipontificado é muito grande.
Mais cedo ou mais tarde a verdade vai vir à luz.
Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

Casais que sofrem por não poderem comungar?? Alguém já viu??



Tanto se fala em permitir a Comunhão aos pobres católicos divorciados e recasados que sofrem com a falta de misericórdia dos criptolefebvrianos que os impedem de realizar seu sonho dourado: receber Jesus Cristo sacramentado.

Linda história, muito comovente.

Só tem um problema: será que existe na realidade algum casal de divorciados católicos recasados que creia realmente na Presença Real de Jesus Cristo na Eucaristia? Na re-presentação do sacrifício do Calvário na Missa, para nos tornar partícipes de seus frutos?

Ou serão esses casais meros entes de razão, como o círculo quadrado, o chupa-cabras ou o abominável homem das neves?

Eu, pelo menos, nunca vi nenhum, nem nunca ouvi falar de nada disso.

Conheço, sim, vários casais recasados que de vez em nunca vão muito a contragosto a uma infinitamente tediosa missa de sétimo dia e, quando chega a hora da Comunhão, simplesmente se levantam, entram na fila e comungam sem problema nenhum. Um biscoitinho a mais não engorda, pode ser comido sem problemas, sob o olhar misericordioso do sacerdote, com ou sem peruquinha.

Como no vídeo acima, em que o cardeal "conservador" Bagnasco, presidente da CEI, Conferência Episcopal Italiana, dá sem problema algum a comunhão ao "trangender" Vladimir Luxuria e à sua marida.

Toda essa história é uma enorme farsa. O verdadeiro objetivo do antipapa e de seus comparsas é dinamitar a doutrina católica e, em especial, qualquer referência, mesmo remota, à castidade.

Eis o objetivo.

Uma enorme farsa num sinédrio que é uma farsa maior ainda.



quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Sínodo contra a família: o cinismo do antipapa

Garante o patriarca de Lisboa, Dom Clemente, bergogliano de carteirinha, que o antipapa teria interrompido a segunda sessão do antissínodo para declarar: "a doutrina não está em causa, e eu sou o primeiro garante dela" (aqui).

É muito cinismo para quem negou na maior cada de pau, diante do mundo inteiro, um dogma solenemente definido pela Igreja, só por não ser politicamente correto.

Vergonhoso.

Já não há mais nada na igreja bergogliana: não tem moral, não tem fé, não tem doutrina, não tem liturgia, não tem vida intelectual, só tem uma coisa: dinheiro.

E de onde vem esse dinheiro, senão dos tesouros acumulados por séculos e séculos do trabalho de fiéis dedicados àquilo que é pisoteado pela máfia bergogliana?

Entregue a si mesma, com esse arremedo de doutrina e de fé, que lugar teria o bergoglismo no mundo? Se a máfia bergogliana tivesse de abrir uma igrejinha como outras mil aqui em nosso país, quantos fiéis teria? Nenhum. Nada.

São parasitas ingratos da Tradição.

Sem dúvida essa é uma das origens da obsessão bergogliana com o discurso da pobreza: a denegação da própria miséria endinheirada que é essa falsa igreja, a vontade de não ver a própria medonha condição.

Porque de evangélica a famosa opção bergogliana pelos pobres não tem nada: não há "combate à pobreza nos Evangelhos; pelo contrário, a pobreza é um ideal que só chega à sua perfeição na Cruz.
Mas aí estamos nos antípodas do bergoglismo.


Provável sucessora do antipapa propõe tirar todos os símbolos cristãos das igrejas

A bispa bergogliana de Estocolmo com sua marida

Uma das mais fortes candidatas à sucessão de Bergoglio no antipapado vaticano, a bispa lésbica luterana de Estocolmo, Gerd Eva Cecilia Brunne, de que já tratamos aqui, acaba de propor a uma rede de tv estatal sueca que a igreja dos marinheiros de Freeport seja despojada de todos os símbolos cristãos, mas assinale a direção de Meca. Por que isso? Para não ferir a sensibilidade dos visitantes muçulmanos.

Parece piada, mas não é.

O artigo pode ser lido aqui, em italiano, em Corrispondenza Romana.

O grotesco bergoglio-luterano-LGBT não tem fim.

Inversão de sentidos e possessão diabólica

Já denunciamos neste blog (aqui) a aberração doutrinal deste antipapado, que se funda numa citação invertida do Apocalipse: onde Cristo diz que bate para entrar, Bergoglio lê que Ele bate para sair (Ap., 3, 20).
Tão distante está do Evangelho esse pontificado de palhaçada, que para achar justificação bíblica para seus desmandos e heresias precisa citar uma passagem que diz o exato contrário do que é proposto!
Mas a coisa não para por aí. É sabido pelos exorcistas que um dos sinais da possessão demoníaca é a inversão de fórmulas, tanto pelo significante (palavras ditas de trás para frente), como pelo significado (negação e inversão dos ensinamentos de Cristo).
Mais um sinal claro, portanto, da verdadeira origem da "misericórdia" bergogliana.
Oremos a São Miguel Arcanjo.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

A imagem perfeita da igreja bergogliana


Com seu namoradinho, o Mundo.

Um Sínodo de palhaçada

O que vai acontecer no Sinédrio contra a família convocado pelo antipapa?
Nada.
No final, vão lançar um documentinho morno e amorfo, estilo Gaudium et Spes, a meio caminho entre nada e coisa nenhuma.
E, quando os prelados se tiverem dispersado, aí sim, os trabalhos de demolição da Igreja vão recomeçar para valer. Sem oposição e sem riscos, como ficou provado quando Bergoglio negou solenemente, urbi et orbi, um dogma de fide da Igreja, sem que as senhoritas de púrpura soltassem um pio em defesa de verdades que custaram ao Verbo a morte na Cruz para que nos fossem reveladas.
O antipapa tem a faca, o queijo, a mortadela e a geladeira na mão, por que iria enfrentar a oposição de seus subordinados numa batalha que para ele não tem interesse nenhum?
Fora que o antipapa está ciente de que seus títulos ao Pontificado são podres e nulos, e de que isso está ficando cada vez mais óbvio. Se batesse de frente com os prelados a que ainda resta um fio de Fé e vergonha na cara, poderia provocar uma reação que levasse à denúncia de seu herético antipontificado, com desastrosas  consequências para ele e sua gangue.
Além disso, os objetivos do Sinédrio, a destruição do que resta da família cristã, já foram alcançados com o divórcio vapt-vupt dos seus dois Motu Proprio.
Portanto, nesse sinédrio o antipapa vai deixar seus cardinaizinhos brincarem de Sínodo católico e reafirmarem "energicamente" a Doutrina Católica num documento final que, assim que os prelados se dispersarem, será misericordiosa, paterna, válida e licitamente jogado no lixo.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Malachi Martin denunciou a máfia de Danneels/Bergoglio vinte anos atrás


The Windswept House,  grande roman à clefs  de Malachi Martin, publicado em 1996, há tempos vinha sendo reconhecido como uma obra profética. Nele, o genial jesuíta irlandês denunciava uma gigantesca rede de pedofilia no clero americano, vários anos antes que a tsunami de escândalos submergisse a Igreja dos Estados Unidos.

Depois da revelação da máfia de Saint-Gall - sociedade secreta composta por cardeais cujo objetivo era sabotar o pontificado de Bento XVI e eleger Jorge Bergoglio - em recente biografia do cardeal belga Danneels (aqui), pode-se dizer que a dimensão profética da obra-prima de Malachi Marrtin se vê decuplicada.

Pois o que temos ali é a descrição detalhada de uma camarilha de cardeais satanistas mancomunados com os poderes do mundo para forçar a renúncia do então papa João Paulo II e instaurar uma igreja "dos pobres", pró-aborto e pró-gay. Ou seja, o retrato escarrado da falsa igreja bergogliana.  E o mais estarrecedor é que nessa camarilha aparecem nada menos que quatro dos nomes citados pelos biógrafos de Danneels como membros da máfia de Saint-Gall: os cardeais Martini, Silvestrini, Basil Hume e o próprio Danneels. É o que se pode conferir na lista das chaves dos personagens que pode ser encontrada na web (por exemplo, aqui).

É muita coincidência!

Li o romance há uns 15 anos. É um tijolo de quase 700 páginas. Estive folheando hoje à tarde e parece que não tem jeito: vou ter que reler. É obrigatório para quem quer entender o que está acontecendo no Vaticano.

Como o livro não é fácil de achar, aqui vai um link onde se pode baixar o txt grátis:

https://archive.org/stream/WindsweptHouseAVaticanNovel/WindsweptHouse_djvu.txt

Leitura absolutamente obrigatória.