Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Como o antipapa está silenciando os lefebvrianos


Publica o site Adelante la Fé (aqui) uma deprimente entrevista com o bispo conservador Dom Athanasius Schneider. Dom Athanasius foi recentemente enviado pelo antipapa como embaixador para restabelecer o "diálogo" entre a Santa Sé e a FSSPX. Eis o que ele diz:

O espírito do sentire cum Ecclesia da FSSPX ficou evidente quando me receberam como enviado da Santa Sé com verdadeiro respeito e muita cordialidade. Além disso, em ambos os seminários, alegrou-me ver na entrada a foto do papa Francisco, o pontífice atualmente reinante. Nas sacristias havia placas com o nome de S.S. Francisco e do ordinário da diocese. Comoveu-me o canto da oração tradicional pelo Papa ("Oremus pro pontifice nostro Francisco...") durante a solene exposição do Santíssimo Sacramento.

Ou seja, um suposto "guardião da Fé ortodoxa " como Dom Athanasius serve alegremente de embaixador de um antipapa escancaradamente herético junto a uma instituição que supostamente pretende preservar intacta a Fé da Igreja. As duas partes concordam  em levar às nuvens a figura do leão de chácara argentino, e veem na submissão a ele o critério do sentire cum Ecclesia!!!

Deprimente! Vergonhoso! E, principalmente, escandaloso!

Eis a razão por que o antipapa se sente à vontade para destruir impunemente o dogma católico, dogma cuja transmissão a nós custou ao Verbo encarnado a morte na Cruz. Eis porque todas as provas de invalidade da eleição de Bergoglio só encontram silêncio e hostilidade junto aos pupilos de Dom Fellay. Basta dar a uns uma missão oficial do Vaticano e a outros as migalhas de uma misera perspectiva de diálogo para todas as avacalhações, heresias e blasfêmias bergoglianas serem esquecidas entre sorrisos e fotos na sacristia - se com ou sem camiseta de clube, a entrevista não esclarece.

Será mesmo que Dom Williamson estava tão errado ao separar-se da FSSPX?

Esperamos estar enganados e que o espírito de Dom Marcel Lefebvre não se tenha perdido entre as gloriosas fileiras da FSSPX, e que as aparentes bodas entre o antipapa e Écône não passem de um tenebroso mas breve episódio, logo superado.

Fica também o alerta para os que esperam  grandes coisas dos bispos conservadores  no Sinédrio contra a família convocado por Berggy. O comportamento subserviente de Dom Athanasius mostra que as perspectivas de oposição séria ao antipapa são nulas. Aliás, por que se há de esperar resistência à sacralização do adultério e da sodomia passiva no Sinédrio da parte de quem cala e consente com a heresia mais escancarada?

Um comentário:

  1. Caro Luís,

    Ao que parece, somente através de uma realidade medonha e angustiante como esta, pela qual a verdadeira e única Igreja de Cristo atravessa, é que determinadas palavras de Nosso Senhor poderiam fazer sentido:

    “Mas, quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a terra?”

    “Se aqueles dias não fossem abreviados, criatura alguma escaparia; mas por causa dos escolhidos, aqueles dias serão abreviados.”

    Como aceitar que nenhum bispo ou cardeal tenha se levantado até agora (se é que algum se levantará algum dia), diante de tanta imundície e abominação já vomitada por esse antipapa infame? Como compreender uma situação tão absurda e grotesca como essa, senão através da lente de passagens como as mencionadas acima?

    Ou ainda, por meio de predições de nossa Mãe Santíssima, como estas:

    “Roma perderá a fé e se tornará sede do Anticristo.” (Nossa Senhora de La Salette).

    “Tempos funestos sobrevirão, nos quais, cegando na própria claridade aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão a mão aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem.

    “Mas ai do erro do sábio, o que governa a Igreja, do Pastor do redil que meu Filho Santíssimo confiou a seus cuidados!” (Nossa Senhora do Bom Sucesso).

    Vivemos dias terríveis!

    Que Deus nos proteja e nos livre dos enganos destes tempos sombrios!

    In Corde Jesu et Mariae, semper,

    Léo Oliveira

    ResponderExcluir