Pesquisar este blog

sábado, 4 de julho de 2015

Homenagem ao Papa Bento XVI: 10 interpretações do opus 111 de Beethoven

Em homenagem ao beethoveniano Papa Bento XVI, cujo pontificado ativo tanta falta faz à Igreja, uma seleção de grandes interpretações da sonata 111, um dos pontos altos da história da arte.

Como declarou recentemente o Santo Padre ao receber mais um doutorado honoris causa, a música ocidental ocupa um lugar à parte na história da humanidade:

No quadro das culturas e das religiões mais variadas, existe uma grande literatura, uma grande arquitetura, uma grande pintura e grandes esculturas. E em toda parte, também há música. E, no entanto, em nenhuma cultura existe uma música de grandeza comparável à nascida no contexto da fé cristã de Palestrina a Bach, Handel, até Mozart, Beethoven e Bruckner. A música ocidental é algo de único, que não tem igual em outras culturas. Isso nos deveria fazer refletir.
A música ocidental, é claro, vai muito além do terreno da religião e da Igreja. E, no entanto, ela sempre encontra a sua fonte mais profunda na liturgia, no encontro com Deus. Em Bach, para o qual a glória de Deus é o fim derradeiro de toda a música, isso é totalmente evidente. A resposta grande e pura da música ocidental desenvolveu-se no encontro com esse Deus que, na liturgia, se torna presente para nós em Cristo Jesus. Essa música, para mim, é uma demonstração da verdade do Cristianismo. Ali onde se desenvolve tal resposta se realizou o encontro com a verdade, com o verdadeiro criador do mundo. Por esta razão, a grande música sacra é uma realidade de nível teológico e de significação permanente para a fé de toda Cristandade, ainda que não seja absolutamente necessário que ela seja executada sempre e em toda parte. Por outro lado, no entanto, é igualmente claro que ela não pode desaparecer da liturgia e que sua presença pode ser um modo totalmente especial de participação na celebração sagrada, no mistério da Fé.

(Fonte: benoît et moi; o texto integral do belo discurso papal pode ser lido aqui)

Aqui vão dez interpretações desta última sonata de Beethoven que, nas suas variações finais, parece receber já os primeiros raios da Luz Eterna.

Claudio Arrau



Daniel Barenboim



Arturo Benedetti Michelangeli




Maurizio Pollini




Daniil Trifonov



Anatoly Vedernikov



Wilhelm Kempff



Ivo Pogorelich



Wilhelm Backhaus



Yeol Eum Son

2 comentários:

  1. Ah!!!..Alto livello!!! Meu queridíssimo SANTO
    PAPA...!! Esse sim, teve..."berço"!!! Outra educa
    ção...bom gosto.."finesse"..Estilo..."chic"!!!
    Ungido por DEUS como PONTÍFICE ROMANO,o
    SANTO PAPA BENTO XVI ,faz muiiiita falta,sim!!
    Fomos do vinho....para água contaminada com
    o mundo......DECADÊNCIA!!.. Infelizmente,agora
    saímos da sala-de-estar...dos lindos floridos e
    perfumados jardins palacianos....para as mau
    cheirosas escuras masmorras...sem luz.
    Dommage!!! Sorry! É uma grande TRAGÉDIA
    ESPITITUAL o que ocorre atualmente,com a cato
    licidade...e, com nossa IGREJA CATOLICA APOS
    TÓLICA ROMANA!!
    Mas..breve...breve..DEUS agirá,e acsbarâ com as
    palhaçadas do argentino tamancão.Amém.
    MUSICAS PARA BERGGIE: "I WILL SURVIVE!"
    "MENINO DA PORTEIRA"..."CHURRASQUINHO
    DE MÃE"..."Ê HOJE!"... e todas do Sepultura...
    de Madonna...de.Anita..de Valdik Soriano.

    Cruz credo,tres vezes!!! Amém.Aleluia!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Marie. Há certa distância dentre Bento XVI, por um lado, e Berggie ou Braz de Elvis, por outro, com suas insistentes tentativas de substituir o canto gregoriano por Atirei o Pau no Gato e Cai Cai Balão para o Kyrie.

      Excluir