Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Bergoglio criminoso: o caso da corrupção em Buenos Aires

Em sua mais recente e catastrófica página de magistério aeronáutico, Bilderbergoglio, para edificação dos fiéis, contou um caso que lhe ocorreu quando bispo auxiliar em Buenos Aires.

Alguns funcionários públicos se aproximaram para lhe propor uma treta: doariam um bom dinheiro à Igreja, dinheiro este que, em troca, seria rachado com eles.

Caso claríssimo de crime de corrupção.

Qual era o dever de Berggy, como bispo, diante de um caso desses? Admoestar os meliantes, pelo grave pecado que cometiam. E como cidadão, denunciá-los às autoridades competentes, para que tomassem as devidas medidas penais e administrativas. Deixar de fazer ambas as coisas é pecar por omissão e tornar-se cúmplice do crime.

Mas nenhuma das duas coisas sequer passou pela cabeça do antipapa. Ficou em dúvida entre chutar a bunda dos safados - poeticamente definida como "ali onde o sol nunca bate" - ou "dar uma de Migué". Foi o que fez. Alegou um problema técnico de recibos para não aceitar a proposta criminosa. E se despediu dos bandidos em paz e amizade.

Eis a moral bergogliana, à beira do código penal. Eis como ele pretende aplicar sua política de combate e corrupção.

Portanto, senhores corruptores, temos boas notícias para vocês. Podem abordar os administradores vaticanos, propondo suas vigarices, sem correr nenhum risco. O máximo que pode acontecer é que lhes peçam recibo. Mas até para isso se pode dar um jeitinho, usando de ternura e misericórdia. Ordens do patrão.





Nenhum comentário:

Postar um comentário