Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Bergoglio e a igreja-circo e estábulo


Jean-Luc Marie Maurice Louis Bouilleret, nomeado por Jorge Bergoglio arcebispo de Besançon, França, não perde tempo. Mal se viu empossado e já se apressou em pôr em prática as revolucionárias ideias de seu chefe em matéria de relações entre circo e liturgia.



É o que se pode ver nesta série de fotos que mostra um espetáculo equino-circense promovido pelo arquiboçal dentro da milenar catedral da cidade francesa

Como é notório, a ultrabergogliana Igreja francesa agoniza em meio à maciça apostasia de seu clero iluminista.


Quem sabe, permitir a entrada de cavalos na catedral não seja um primeiro passo para resolver os problemas vocacionais da igreja bergogliana? Quem sabe a ordenação de cavalos não seja a solução?
Quem mais existencialmente periférico do que nossos companheiros equinos, afastados do pleno exercício do sacerdócio por séculos de obscurantismo neopelagiano?

Mais sobre o assunto em Radio Cristandad e no blog Pope Francis, the Destroyer






quarta-feira, 25 de junho de 2014

Bergoglio, o papa marqueteiro



Vídeo que mostra com toda a clareza porque Jorge Bergoglio tem sido chamado de nota de 3 reais.

Só mesmo um débil mental para acreditar que a filmagem, a parada do carro e o beijo de Bergoglio na pessoa doente possam ter sido espontâneos e não premeditados.

Pura demagogia, puro marketing.

Tudo mentira, tudo encenado. Uma vergonha. Mais uma.

Note-se que o antipapa não abençoa ninguém, limitando-se a dar tchauzinho com a mão. Como se sabe, isso de abençoar não passa de uma solene burrice neopelagiana.

Um papa que substituiu a evangelização, a defesa e exposição da doutrina pelas táticas de marketing de pop star ou dos nossos políticos mais corruptos.


sexta-feira, 20 de junho de 2014

O Evangelho segundo o Cardeal Kasper


Cito a seguir alguns pensamentos do cardeal Kasper, teólogo predileto do antipapa Bergoglio. A fonte é um artigo publicado em Benoît et moi:

"Os dogmas podem ser unívocos, superficiais, fúteis, estúpidos e precipitados" (do livro Einführung in den Glauben).

Estas 3 pérolas são do livro Jesus der Christus:

"As narrativas dos milagres explicam-se pela transferência de temas não cristãos para a pessoa de Jesus, para ressaltar sua grandeza e sua potência"

"[A ressurreição de Cristo] trata-se, não de um fato histórico, mas de uma figura de estilo destinada a chamar a atenção e criar suspense".

"Segundo os Evangelhos sinópticos, Cristo não se designa jamais como filho de Deus, messias, filho do homem, nem como servo de Deus, e o dogma segundo o qual Jesus é verdadeiro homem e verdadeiro Deus pode ser superado."

Vale lembrar também que o Cardeal Kasper se distinguiu pelas críticas ao filme de Mel Gibson, a Paixão de Cristo.

Eis em que mãos caiu o governo do Vaticano.

Antipapa Bergoglio pede a bênção ao chefe anglicano

O antipapa Bergoglio pede a bênção ao "arcebispo" anglicano da Cantuária e é atendido.

Como observou um internauta italiano, é como se Pedro pedisse a bênção a Simão, o Mago.

Isso, é claro, na hipótese cada vez mais absurda de que Bergoglio fosse o sucessor de Pedro e as portas do inferno tivessem prevalecido contra a Igreja. O que equivale a chamar Jesus Cristo de mentiroso.

É cada vez mais clara a fúria anticatólica do governo do Vaticano, sua vontade explícita de avacalhar e ridicularizar tudo o que se relacione com a Igreja.

Mais baixo que isso só mesmo a passividade dos prelados, que assistem tranquilamente a isso tudo sem um gesto de decência e honestidade na fé.

Podem espernear à vontade, mas chegou a hora de optar entre a Fé católica e a obediência a Bergoglio. As duas coisas ao mesmo tempo já não dá.





quinta-feira, 19 de junho de 2014

Aurea mediocritas


Entre os sedevacantistas, para quem não há nenhum papa, e os bergoglianos, com seus dois papas, o bom-senso: a renúncia de Bento XVI foi inválida, e há um só papa, o mesmo Bento XVI.

Ateísmo, humanismo, drogas


Se Deus é mentira, também a beatitude é falsa. Se o homem é o verdadeiro criador, também a beatitude é artificial.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Um papa sério e profissional

Na entrevista que deu hoje a La Vanguardia, São Jorge descreve seus auxiliares como "muito sérios e profissionais". Não sei se foi gozação ou se estava falando sério.

De qualquer modo, a frase absurda mostra que Bergoglio tem uma visão burocrático-empresarial da Igreja. Para ele, dirigir a barca de Pedro é business as usual, e seu cardeais são bons profissionais, provavelmente muito bem remunerados, como acontece com os bons executivos.

Mais um pouco e um diploma da Harvard Business School será obrigatório para o candidato ao cardinalato.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

O Concílio está nu


O Concílio Vaticano II foi o início de um processo de rendição incondicional da Igreja aos grandes deste mundo, processo este que culmina hoje no "pontificado" de Jorge Bergoglio. O resto é perfumaria.

Grandes burgueses e socialistas


"Em Saint-Étienne, os "vermelhos", que apoiam a candidatura dos grandes burgueses "socialistas", Dorian e Antide Martin, ameaçam os clericais* e saqueiam o convento dos jesuítas." (R. Rémond et al., Histoire du Catholicisme Français, vol. III, "la Période contemporaine", p.391)

Nada de novo sob o sol. Isso foi há 150 anos, mas hoje pouca coisa mudou. A única diferença é que em nossos bergoglianos tempos a campanha dos grandes burgueses "vermelhos" (Bilderberg, Illuminati, Wall Street, Hollywood etc.) seria urdida no próprio convento dos jesuítas.

(*) No original, calotins, os defensores da política católica. Hoje, no Brasil, com o grande sucesso popular da teologia da libertação, patrocinada pelos descendentes dos "socialistas" acima referidos, a mera ideia de uma política católica é tão abstrusa, que nem há palavras no nosso léxico que possam traduzir o termo francês.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Suor Cristina, Bergoglio e velhas surpresas


A Igreja deve sempre surpreender. Nada de terços, penitências, jejuns, místicas devoções: tudo velharia neopelagiana pré-conciliar. É o que ensina São Jorge Bergoglio, o Onipotente, ante os extasiados microfones e câmeras  de seus amigos bilderberguianos do mundo inteiro.

O importante é surpreender os repórteres: eis a boa nova pela qual o Verbo encarnado padeceu e morreu na Cruz.

Não se pode, portanto, negar que Suor Cristina, vencedora do The Voice Itália deste ano, foi obediente à voz de seu pastor.

O que mais surpreendente do que uma freira Ursulina que declara em público seu ardente desejo de promover shows de música pop com "artistas" que fazem profissão pública de satanismo? Ou que, não contente com isso, posa para as câmaras do mundo inteiro fazendo com as mãos o sinal dos dois chifres, característico dos adoradores do baixíssimo? E que recebe em tudo isso o apoio público de suas superioras?

Seus esforços foram recompensados: Suor Cristina levou o prêmio máximo do The Voice Itália.

Tu ergo si adoraveris coram me erunt tua omnia. (Lc, 4, 7)

O que, afinal, prova que nada há de surpreendente em tudo isso.

É o mesmo velhíssimo de sempre.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Bergoglio e o poder de surpreender


Bergoglio não se cansa de repetir que a Igreja deve surpreender sempre.

É preciso admitir que ele tem tido bom êxito neste ponto.

O que pode haver de mais surpreendente do que um sumo pontífice que entra em acordo com Caifás e Pilatos e relega Cristo e sua Cruz para o almoxarifado das coisas supérfluas?

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Escola, esporte e trabalho, eis o essencial para Bergoglio. E Jesus Cristo, onde fica?


Em declaração feita hoje na festa de uma associação juvenil italiana (aqui), São Jorge apontou o esporte, o trabalho e a escola como o que realmente importa para que os jovens levem uma vida santa.

E Jesus Cristo, onde fica? Para ele, talvez São Jorge, em sua infinita misericórdia, reserve uma casinha de cachorro perto do banheiro.

Está cada vez mais óbvio que esse "papa" nem católico é. Nem faz muita questão de esconder isso.

Sobre a invalidez da renúncia de Bento XVI

Note-se que para demonstrar a invalidade da renúncia de Bento XVI basta saber que houve pressão. Não é preciso determinar detalhes sobre o como, o onde e o quem. O Código de Direito Canônico estabelece como condição de validade a plena liberdade do papa no momento da renúncia. Ou seja, a ausência de pressões violentas.

O que é público e notório que aconteceu. Mesmo porque boa parte dessa pressão se deu publicamente, pelo carpet bombing midiático contra o Papa Bento XVI. Aliás, mui curiosamente, bombardeio interrompido imediatamente após a "renúncia", para ser substituído pela idolatria do novo "papa" dos sonhos do lobby gay e de Wall Street.

Cada coincidência!

Trata-se, é claro, só da ponta do iceberg. Mas o bastante para fazer naufragar o Titanic bergogliano.

Em suma, o direito canônico estabelece que, para ser válida, a renúncia papal deve ser feita de modo totalmente livre e espontâneo. Ora, é público e notório que a renúncia de Bento XVI foi feita sob intensa pressão, desde o caso dos Vatileaks, às denúncias sobre o IOR e o lobby gay, entre muitas outras formas de coerção. Todas essas ações coercitivas, aliás, cessaram como por encanto depois da renúncia.

A renúncia, portanto, é inválida, e Bento XVI ainda é papa, apesar de não estar exercendo ativamente o múnus petrino.

Quando o Espírito Santo é usado para promoção pessoal


O que esse homem não faz para aparecer? Nem o dia de Pentecostes é poupado. Não tem vergonha nem de usar o Espírito Santo para se promover. Tudo vale para chegar mais perto do ansiado Nobel da paz.

Nem é preciso dizer que a "oração" feita em tais escandalosas circunstâncias não será ouvida e não adiantará um centímetro o processo de paz naquela triste região. Pelo contrário, ameaça acirrar contra os cristãos os ânimos de judeus e muçulmanos, que certamente não estão contentes com a farsa envolvendo suas respectivas religiões. Tanto que não mandaram nem um rabino, nem um imã, só políticos. Não misturam as coisas.

O curioso é que a divisão entre o reino deste mundo e o Reino dos Céus foi estabelecida por Jesus, não por Maomé ou Moisés.

Mais um vexame.

Eu, se fosse São Jorge, tomaria mais cuidado. Alguém, não me lembro bem quem, disse coisas terríveis sobre os que brincam com o Espírito Santo.

sábado, 7 de junho de 2014

Perguntas ao cardeal Braz de Aviz sobre os Franciscanos da Imaculada

Cardeal João Braz de Aviz

Um grupo de sites e blogs católicos italianos, justamente indignados e enojados com a covardia com que o governo Vaticano tem tratado a ordem dos Frades Franciscanos da Imaculada, dirigiu a nosso chiquérrimo cardeal Braz de Aviz um questionário de dez perguntas para que ele possa oferecer aos fiéis algum esclarecimento sobre o escabroso caso, o que até o momento não foi sequer esboçado.

O original pode ser lido aqui.

Este blog não acredita que o cardeal, ultraocupado com sua elegantérrima coleção de perucas, dê qualquer atenção a essa iniciativa brega e neopelagiana.

De qualquer modo, aqui vai a tradução das perguntas.

Eminência Reverendíssima,

permitimo-nos dirigir-lhe as perguntas que se seguem, em razão das graves dúvidas suscitadas pela intervenção junto aos Frades Franciscanos da Imaculada e pela Visita apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, ambos os atos ordenados por Vossa Eminência.
Trata-se de dúvidas de alcance universal, que surgem, em consciência, do dever que cada um tem de buscar a verdade, em especial nas questões de fé e de moral.
Como é público o escândalo suscitado em muitos pela Intervenção dos Frades Franciscanos da Imaculada e pela Visita apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, as perguntas que surgiram são igualmente dirigidas publicamente a Vossa Eminência.
.
1)      Por que houve intervenção contra os Frades Franciscanos da Imaculada? No Decreto de Intervenção assinado por Vossa Eminência não se pode discernir nenhum motivo. Por quê?
2)    Por que Vossa Eminência não fez nenhum caso da Nota (de 29 de maio de 2013) que lhe foi enviada pelo Conselho Geral, conjuntamente com o Procurador geral, dos Frades Franciscanos da Imaculada, com a qual lhe eram comunicados – no que se refere à Visita apostólica então em andamento – alguns fatos gravíssimos, sem nenhum precedente em toda a história da Igreja, entre os quais (como ali se lê): “a decisão [do Visitador] de proceder SÓ por meios de um questionário escrito, evitando de todos os modos a visita às comunidades e até aos seminários […]; o conteúdo do questionário que, além da intenção de sugerir uma versão “tendenciosa” da situação do Instituto, estava cheio de perguntas não facilmente compreensíveis para a maioria de nossos irmãos […]; Os resultados do questionário, por si sós, sem confirmação de que o que nele está escrito corresponda realmente às convicções de cada frade, não são confiáveis pelas razões acima expostas”?
3)    Vossa Eminência está a par das disposições decretadas pelo Interventor apostólico, por Vossa Eminência designado para governar os Franciscanos da Imaculada, com as quais se impõe aos Frades, entre outras coisas, o fechamento dos seminários, a suspensão das ordenações e a proibição de colaborar em publicações teológicas e de apostolado? Se Vossa Eminência está a par disso, por que deu seu aval a essas medidas, evidentemente ruinosas para atividades fundamentais próprias do carisma desse Instituto, regularmente aprovado pela Santa Sé?
4)    Por que determinou a Visita apostólica às Irmãs Franciscanas da Imaculada, isto é, do ramo feminino do Instituto religioso por Vossa Eminência já posto sob intervenção?
5)      Por que enviou como Visitadora apostólica uma religiosa tão distante, por atitudes e por formação – mas sobretudo pelo modo de pensar e de agir – das Irmãs Franciscanas da Imaculada?
6)    Por que não demonstrou o mesmo rigor e severidade para com aqueles Institutos religiosos, nos quais grande número de membros claramente se afastaram do carisma dos Fundadores e da observância das respectivas Regras e Constituições?
7)      Qual sua opinião sobre a Teologia da Libertação? Considera compatível com a fé católica a adesão às teses da Teologia da Libertação, em especial depois da condenação explícita, com a Instrução da Congregação da Doutrina da Fé, confirmada por João Paulo II (6 de agosto de 1984), com a qual, entre outras coisas, são apontados seus “graves desvios ideológicos”?
8)      Qual sua opinião sobre a perspectiva sincretista de unificar todas as religiões numa nova religião planetária? É verdade que Vossa Eminência participou, pronunciando o discurso de abertura, do Primeiro Fórum Espiritual Mundial, juntamente com representantes de sociedades espíritas, teosóficas e maçônicas?
9)      Não considera que todo projeto de religião planetária contradiz claramente o princípio de que “se deve [...] crer firmemente, como verdade de fé católica, que a vontade salvífica universal de Deus Uno e Trino foi oferecida e realizada de uma vez por todas no mistério da encarnação, morte e ressurreição do Filho de Deus” (Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração Dominus Iesus, 14)?
10)     Qual a sua posição com relação à maçonaria? Considera compatível com a fé cristã a adesão de um católico e, com maior razão, de um eclesiástico, à maçonaria?
.
Com  nossas respeitosas saudações
.
Corrispondenza Romana
Riscossa Cristiana
Chiesa e postconcilio
Il Cammino dei Tre Sentieri
Vigiliae Alexandrinae
Giudizio cattolico

Conciliovaticanosecondo

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Bergoglio e RCC: a iurdização da Igreja



Uma multidão de 50 mil  animistas carismáticos recepcionou entusiasticamente a Jorge Bergoglio no estádio Olímpico de Roma, ontem.

Ali, para delírio da galera, o presidente da RCC italiana comparou a Fé a um jogo de futebol: "há sempre uma equipe, a dos discípulos de Jesus, cujo técnico é o Espírito Santo e o capitão é o papa Francisco. A estratégia de jogo é maravilhosa. Colocando em campo a fé, a vitória de Jesus está garantida." (aqui)

Bergoglio retribuiu tão místico discurso de recepção cantando musiquinhas de "unção" em ritmo de gafieira para a torcida.

É a iurdização da Igreja. Junk church em sua versão hardcore.