Pesquisar este blog

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Leonardo Boff, os bancos e a espiritualidade


Num artigo do sempre vertiginoso Leonardo Boff acerca do que considera ser o papa ideal para os nossos tempos (aqui), topo com a seguinte pérola. Depois de repetir pela milionésima vez o  elogio bom-mocista do "diálogo" como panaceia para os problemas da Igreja, nosso recém-convertido devoto da deusa pagã Géa dispara sem dó:

Esse modelo do diálogo se faz urgente caso a instituição-Igreja quiser sair da crise em que se meteu e que atingiu seu ponto de honra: a moralidade (os pedófilos) e a espiritualidade (roubo de documentos secretos e problemas graves de transparência no Banco do Vaticano).

Yes, dear, you read right: o problema espiritual da Igreja de hoje são os documentos vazados pelo mordomo de Bento XVI e a falta de transparência no IOR. O altitudo!

Pensando bem, como, para o marxismo e para a teologia da libertação, o econômico é. em última instância, a chave da história, não é de estranhar que o nosso místico pensador tenha uma concepção bancário-financeiro-administrativa do espírito.

Quem diria: eis que a teologia da libertação dá as mãos à teologia da prosperidade! Bispo Macedo e Leonardo Boff unidos por um mesmo ideal!





Um comentário:

  1. Leonardo Santana de Oliveira.10 de maio de 2014 13:25

    Prezado Luis,Salve Santíssima Imaculada Virgem Maria,Mãe de Deus, Co-Redentora pois trouxe ao mundo O Redenor!!

    Quando vejo marxistas,hedonistas e materialistas, pontificando sobre a Religião católica e a Sã Doutrina, me vem a mente Didi Mocó:

    Cuma?!É o cúmulo da hipócrisia, incoerencia e contradição, um herege querer dar lição sobre Religião católica.

    Leonardo Boff, Hans Küng,Henri-Marie de Lubac,Karol Józef Wojtyła,Bergoglio et caterva, são arquitetos e frutos do conciliábulo modernista de Metz.

    Essa "igreja" conciliar é um poço sem fundo de hipócrisia, incoerencia e contradição e Leonardo Boff, Hans Küng,Henri-Marie de Lubac,Karol Józef Wojtyła,Bergoglio et caterva, são arquitetos e frutos do conciliábulo modernista de Metz e dessa seita conciliar.

    In Corde Jesu, semper!!

    ResponderExcluir