Pesquisar este blog

sábado, 26 de abril de 2014

Bergoglio se solidariza com defensor da pedofilia, do aborto e das drogas



Jorge Bergoglio, o primeiro papa inteiramente made in Wall Street, convocou ontem a imprensa mundial de seus amigos do grupo Bilderberg para divulgar urbi et orbi mais um de seus telefonemas particulares, um modo fashion e existencialmente bem periférico de exercer seu magistério infalivelmente avacalhado. É o que noticia o jornal La Repubblica. Desta vez, do outro lado da linha estava um tal de Marco Pannella. Trata-se de uma figura carimbada da política italiana dos últimos 60 anos,profissional do anticristianismo, que dedicou a vida à destruição de tudo o que lembre, mesmo de longe, a mensagem de salvação do Verbo encarnado.

Eis como o site italiano Riscossa Cristiana resume o currículo do sujeito:

1) introdução do divórcio e, portanto, destruição da família;
2) introdução do abortismo, com a lei 194 e, consequentemente,a morte de milhões de inocentes e propagação da cultura da morte;
3) livre circulação da droga e antiproibicionismo, e portanto morte de um número imenso de jovens e falência da vida de outros milhões;
4) fechamento dos manicômios, o que levou para as ruas loucos perigosos, quando não assassinos, ou os levou de volta às famílias, destruindo a vida dos pobres familiares;
4) propagação do homossexualismo;
5) guerra total à família natural e à vida;
6) projeto de lei do partido transnacional radical, que previa, já há cerca de 20 anos, a legalização da pedofilia “não violenta”;
7) cultura do indultismo, cujo objetivo evidente é a despenalização da violência criminal, com a finalidade de fomentar o caos e o terror na sociedade civil.
O telefonema foi mediado por Emma Bonino, outra que não fica para trás no ódio a Cristo. Militante ativa do abortismo, nos tempos em que o aborto era proibido na Itália, Emma ia pessoalmente assassinar os bebês, para depois descartá-los pessoalmente em vidros de conserva, como admitiu recentemente, às gargalhadas (aqui).

Pannella, que, juntamente com a imensa maioria dos cafetães e traficantes de droga, confessa-se grande admirador de Bergoglio, prometeu, em homenagem ao governo do Vaticano, tomar um café e interromper sua greve de fome em favor do esvaziamento das prisões italianas.

Jesu Deus Fortis, miserere nobis!


Nenhum comentário:

Postar um comentário