Pesquisar este blog

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Scalfari e Francisco: Quem é Deus para julgar?


Dando sequência à expressão pública, em seu jornal, de sua paixão pelo papa Francisco, Scalfari, o poderoso chefão maçom de La Repubblica, tira as devidas consequências do primado ético dado por Bergoglio à consciência humana na determinação do que é bom e do que é mau . Mais um ato revolucionário do atual pontificado: pela primeira vez na história o Sumo Pontífice recebe lições públicas de teologia - e ainda de teologia moral! - de um irmão iluminado. Eis o texto:

Nasceu uma polêmica sobre o tema do pecado e, segundo alguns dos meus críticos, eu teria sustentado que o Papa o tenha de fato abolido. Não disse isso: um Papa católico não pode abolir o pecado, pode estender a todas as almas a misericórdia divina até aquele último instante de uma vida de pecados graves e repetidos; mas naquele instante final, se o pecador se arrepender, será perdoado. O pecado, pois, existe e exige arrependimento. 

Até aqui estamos de pleno acordo com a doutrina, com o cânon e também com o Deus mosaico dos Mandamentos. Mas - esta é a novidade de Francisco - o Papa recorda que o homem foi criado livre. É ele que decide o seu comportamento e foi Deus que assim o criou. Qual é a verdade revolucionária deste reconhecimento? Não que o homem escolha o mal, pois neste caso morre condenado; mas que o homem escolhe o bem tal como o imagina. Há, portanto, um cânon ético nesta escolha. A ética vem em primeiro lugar em cada religião, em cada civilização, em cada época; mas a ética é requisito mutabilíssimo de homem para homem, de sociedade para sociedade, de  tempos e lugares. Se a consciência é livre e se o homem não escolhe o mal, mas escolhe o bem tal como lhe parece, então o pecado desaparece de fato e, com ele, a punição.

De fato, se, como declarou o papa Francisco, cada um deve fazer o bem tal como lhe parece, quem é Deus para julgar?
Há aí uma óbvia incoerência doutrinal que decorre necessariamente da autonomia moral da consciência defendida por Francisco em suas entrevistas.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

Nenhum comentário:

Postar um comentário