Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Indícios tenebrosos sobre a reforma da Cúria romana



A Caritas internacional, enorme organismo voltado para obras de caridade da Igreja Católica, foi durante os últimos anos presidida pelo cardeal Maradiaga, o "meta-papa", homem encarregado da reforma da Cúria romana com carta branca dada por Francisco.

Para se ter uma ideia da visão do cardeal sobre como deva ser administrada a ajuda humanitária católica no mundo inteiro, vale a pena ler este artigo de Infocatolica: El presidente de Cáritas Francia asegura que el Papa y Hollande creen lo mismo sobre la dignidad de la vida humana.

Como é notório, o governo maçônico de François Hollande se caracteriza por uma guerra de foice contra a doutrina católica e pelo apoio agressivo a todo tipo de barbárie moral, como o financiamento público irrestrito ao  genocídio de fetos humanos. Igrejas são invadidas e profanadas sob o olhar complacente da polícia, manifestantes em favor da família são perseguidos e presos em massa. É esse governo genocida que recebe os aplausos de François Soulage, presidente da Caritas francesa. Ele garante que Francisco e Hollande concordam em tudo sobre a dignidade da vida humana. Aliás, o presidente francês foi recebido esta semana no Vaticano com toda pompa.

Soulage, pró-aborto e pró-casamento gay, é esse o homem de confiança do cardeal Maradiaga na França. Com isso já podemos ter uma boa ideia de como vai ser a Cúria romana por ele moldada. Ah, que saudades dos tempos de Nero! Os ataques eram duros, mas os piores inimigos eram bem visíveis e estavam fora da Igreja. Bons tempos aqueles.

Jesu sapientissime, miserere nobis.

PS: No vídeo abaixo, uma pomba da paz lançada no último domingo por Francisco de uma das sacadas do Vaticano, foi atacada, logo depois de alçar voo, por um corvo e em seguida por um gavião, que a trucidou. Maus presságios por toda parte...

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Os modernistas do Vaticano soltam a franga



Se alguém tinha ainda alguma dúvida, agora pode estar certo de que o Vaticano foi mesmo tomado por hereges modernistas que nem sequer se dão mais o trabalho de camuflar sua heterodoxia. Basta ler o discurso pronunciado em Miami pelo cardeal Maradiaga, o braço direito do papa Francisco, e tudo fica muito claro. O cardeal realmente assumiu o que antes muitos escondiam dos olhares do público.

O texto básico original pode ser lido aqui; no vídeo acima, o discurso real, que acrescenta vários floreios ao esquema básico.  Mas atenção: trata-se  de leitura altamente indigesta, que exige estômagos heroicos, um amontoado de heresias misturadas com platitudes politicamente corretas e muita pretensão. Por exemplo:

"O Concílio Vaticano II foi o principal acontecimento da Igreja no século XX. Em princípio, significou um ponto final nas hostilidades entre a Igreja e o modernismo, que foi condenado no primeiro Concílio Vaticano. (...) O modernismo foi, o mais das vezes, uma reação contra abusos e injustiças que  diminuíam a dignidade e os direitos das pessoas. (uau!) O Concílio Vaticano II reconheceu que as coisas tinham mudado."

Inacreditável.

Aqueles que sobreviverem poderão consultar a lúcida análise do tresloucado discurso feita por Peter Crenshaw para The Remnant, clicando aqui e aqui.

Na verdade, nós, sodomenses, não merecemos uma Igreja melhor do que essa. A Igreja é sempre a imagem das nossas virtudes; no caso, nulas.

De qualquer forma, o caminho estreito é agora também escuro, e se faz necessária muita sabedoria para poder trilhá-lo. Se até a renúncia de Bento XVI os católicos podiam contar com a Sé papal em apoio à sua fé, hoje isso não existe mais. Hoje o Vaticano é só mais um centro de difusão de palpites teológicos e morais os mais estapafúrdios, que obedecem apenas ao capricho dos detentores do poder eclesiástico no momento. Exemplo vivo do que os teóricos clássicos da política chamavam de tirania. Os dogmas, ora os dogmas!

Que Deus nos ajude.

Francisco e a opção preferencial pelos pobres



terça-feira, 28 de janeiro de 2014

O saxofone do cardeal Maradiaga



Mais uma demonstração de autocrítica dado pelo cardeal Maradiaga neste ridículo solo de saxofone, executado, na maior cara de pau, diante de uma plateia de jovens atônitos.

Parece piada, mas o saxofonista do vídeo, juntamente com Dom João Braz de Aviz, o Calvo, são os dois homens fortes do papa Francisco. A que ponto chegamos!



No vídeo acima, o mesmo tresloucado cardeal massacrando um sambinha no sintetizador de uma igreja alemã, com os paramentos da Missa, o que constitui evidente profanação do sacramento. Mas isso parece ser a última preocupação daquele que é hoje o grande arquiteto da reforma da Cúria romana. Note-se a presença das duas cardinaletes loirinhas e existencialmente periféricas, a quem, é claro, se dirigem os mais pujantes esforços evangélico-bossanovísticos do cardeal.




segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A Grande Avacalhação e a autocrítica


É grotesco ver esses velhos avacalhadores dando aulas de como evangelizar, repetindo as mesmas fórmulas dos últimos cinquenta anos. Depois de usarem a tática da terra arrasada e não deixarem pedra sobre pedra, ainda posam como grandes edificadores.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Cardeal Maradiaga e a destruição da Igreja


Pavorosa e horripilante entrevista concedida pelo cardeal Maradiaga a uma revista alemã (aqui em tradução francesa), onde expõe suas ideias sobre a grande revolução em curso no Vaticano..
O cardeal Madariaga é uma espécie de braço direito do papa Francisco, um de seus grandes cabos eleitorais e o encarregado da reforma da Cúria Romana.

Note-se que a entrevista tem trechos de clara inspiração racista, como quando desqualifica o prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Müller, por ser alemão. Palavras profundamente lamentáveis na boca de um cardeal do mais alto escalão no Vaticano e péssimo sintoma do desmoronamento espiritual da Hierarquia.

Aqui um artigo, em italiano, de Antonio Socci,Os novos inquisidores contra Ratzinger: recomeça a autodemolição da Igreja, sobre a deprimente entrevista, com considerações também sobre o felliniano Dom Braz de Aviz, o Calvo. Aqui, a tradução francesa com comentários, em Benoît et Moi.

Rezemos a Deus para que nos dê sabedoria e discernimento nestes tempos em que parece impossível conciliar a Fé católica e a obediência a Roma.

Christe eleyson, Kyrie eleison, Christe eleison.

Profecias de Eliphas Levi, mago satanista



Então se conclamavam os povos à revolta contra os reis, se pregava o extermínio e o ódio, interditavam-se os reinos e se aumentava de todos os modos possíveis a corrente magnética do mal. Essa corrente tornou-se um turbilhão que abala a cátedra de Pedro, mas um dia virá em que os últimos anátemas de um Concílio Ecumênico serão: Maldita seja a maldição! Sejam anatemizados os anátemas e abençoados todos os homens! Então não se verá mais de um lado a humanidade e de outro a Igreja. Pois a Igreja abrangerá a humanidade, e todos os que fizerem parte da humanidade não poderão estar fora da Igreja.
(O Grande Arcano)


domingo, 19 de janeiro de 2014

Pascal e a Avacalhação


Os que amam a Igreja queixam-se de ver corromperem-se os costumes; mas pelo menos as leis subsistem. Mas estes corrompem as leis: o modelo estraga-se.
(Pascal)

Papa Francisco reza Missa com tango



Paróquia Nuestra Sra. Santa María de los Ángeles, ano 2008. Oferenda à Virgem nos festejos de 80 anos de existência da Igreja  em Coghlan e de 800 da Ordem de São Francisco de Assis. Ángel Zavaleta e Graciela Scuri dançam tango canyengue, ante Dom Jorge Bergoglio, hoje Papa Francisco, Santa María de los Ángeles. Com direito a mão boba e tudo.
Sodomenses e gomorrinos temos hoje a Igreja que merecemos.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

O Caos e o Lógos


Não é à toa que o Papa Francisco coloque em último lugar entre as suas prioridades o estudo e a promoção do dogma católico. Com  a bagunça doutrinal instaurada pela Grande Avacalhação, é simplesmente impossível levar uma vida intelectual honesta e decente dentro dos quadros do alegre bom-mocismo teológico dominante. A Igreja bergogliana desistiu de pensar, daí a ênfase dada à agitação pela agitação, ao sair para transmitir uma mensagem que o próprio mensageiro ignora. Se com Bento XVI no princípio era o Lógos, para o hesiódico Francisco no princípio era o Caos.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Santo Agostinho e os justos excluídos da Igreja


Na página de Dici em que se informa com serenidade e amargura o fim das negociações entre Roma e a Fraternidade São Pio X, um trecho sublime de Santo Agostinho acerca dos dissidentes na Igreja católica: uma reflexão sobre a longa distância que há entre o cisma e a exclusão injusta dos que defendem a Fé. 
Tradução de Yours Truly:

Muitas vezes também a divina Providência permite que, vítimas das agitações sediciosas provocadas pelos homens sensuais, até homens justos sejam excluídos da assembleia dos cristãos. Se suportarem com paciência esses ultrajes e essas injustiças, sem querer perturbar a paz da Igreja pelas novidades do cisma ou da heresia, eles mostrarão a todos com que verdadeira devoção, que amor sincero o homem deve servir a Deus. Esses cristãos dedicados têm a intenção de voltar ao porto, quando a calma tiver sucedido à tempestade. Se não puderem, quer porque a tempestade continue, quer porque temam que o retorno prolongue a tempestade ou provoque outra ainda mais terrível, preferem prover à salvação dos agitadores que os expulsaram e, sem reunir assembleias secretas, sustentam até a morte e confirmam pelo testemunho a fé que sabem ser pregada na Igreja católica. Aquele que vê seus secretos combates sabe coroar-lhes em segredo a vitória. Essa situação parece rara na Igreja, mas não é inédita e até se apresenta com maior frequência do que poderíamos crer. Assim, todos os homens e todas as suas ações servem para a realização dos planos da divina Providência para a santificação das almas e edificação do povo de Deus. (Da verdadeira religião, 6,11).

Cardeal nomeado pelo Papa Francisco oferece flores em altar de deuses hindus


O arcebispo Nichols, de Westminster, recentemente nomeado cardeal pelo Papa Francisco, deu mostras de sua grande piedade multirreligiosa, ao oferecer flores num altar dedicado a divindades hindus, no templo de Mandir, UK, diz The Telegraph em sua edição de hoje.

Como vemos, o Cardeal levou muito a sério as palavras do Papa Francisco, de que proselitismo é uma enorme bobagem.

Cardeal recebe confirmação do batismo de pastora metodista


O cardeal norte-americano O'Malley, de Boston, recebe a confirmação do batismo das mãos de uma pastora metodista. Aconteceu num encontro ecumênico em Sandbury.  Ler a notícia em inglês aqui.

A pastora ficou muito lisonjeada.

Cardeal O'Malley, o cardeal da mulher moderna.

Verdade e beleza

Paul Dirac

Um dos graves problemas com a teologia pós-conciliar (alguns dirão: conciliar) é justamente apresentar uma imagem muito feia da Revelação.
No afã de adaptar as verdade de fé à mulher moderna, os grandes avacalhadores distorcem e deformam horrivelmente tudo o que tocam; a negação da virgindade perpétua, da ascensão de Jesus, do túmulo vazio, dos milagres, tudo isso enfeia e empana a sublime luminosidade do dado revelado.
O que não deixa de estorvar a Fé: os que conhecem um pouco de física sabem que Dirac tinha algo a dizer sobre a relação entre a beleza e a verdade, mesmo científica. Para não falar da doutrina de Deus, que É Beleza.

Moda e doutrina católica


Prosseguindo na linha da análise da tese bergogliana do primado da consciência subjetiva na determinação do bem e do mal, iniciada por Scalfari, pode-se notar que tal subjetividade é essencialmente histórica, isto é, varia com os tempos e as circunstâncias.

Daí que na Igreja existencialmente periférica o único pecado grave seja o anacronismo, aquilo que está fora do tempo e não se adapta, portanto, aos gostos da mulher moderna, ou seja, a doutrina católica tradicional, tida como "ultrapassada" e "pelagiana". Os Franciscanos da Imaculada que o digam.

Tal repulsa à doutrina católica tradicional não difere, em essência, da rejeição de um traje fora de moda pelas clientes das lojas Marisa. Se a percepção axiológica subjetiva é o supremo juiz, tudo é moda.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Papa Francisco afasta Dom Odilo Scherer


É o que noticia a Folha.

Mais um dos poucos membros decentes da Hierarquia que é afastado.

Ou seja, Dom Odilo desce, Dom Braz de Aviz, detto anche il Calvo, sobe.

Se a Igreja sobreviver à atual catástrofe, estará definitivamente provado que é de origem divina mesmo.

Herodes e Pedro: enfim reconciliados!


Informa o site católico espanhol Infocatólica que, após encontro entre os secretários de Estado John "Skull and Bones" Kerry e Dom Parolin, foi anunciada para breve uma visita de  Barack Obama ao Vaticano. Segundo Kerry, o presidente americano, fã incondicional de Herodes e entusiasta do extermínio de bebês ainda dentro do útero materno, não vê a hora de se encontrar com o papa Francisco, de quem se diz admirador.

É a nova primavera vaticana que floresce depois de 2 mil anos de pelagianismo!

Finalmente vai ter um final feliz e alegre esse mal-entendido que durante dois mil anos tem atrapalhado a amizade entre os discípulos de Cristo e os de Herodes.

PS: Enquanto Kerry e Parolian rasgavam seda no Vaticano, em Santa Marta o Papa declarava que considera o aborto um "horror". Um abraço em Herodes, mas também um gesto de ternura para com os santos inocentes. Eis a marca registrada do papa Francisco.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Festa de Natal dos padres gays



Neste vídeo, Michael Voris conta a história de um padre que foi convidado por seus companheiros de sacerdócio para uma festa de Natal do clero de uma progressista, alegre e existencialmente periférica diocese americana.  Ele aceitou o onvite.
No dia seguinte, bateu à porta da cúria, dizendo que não queria mais ser convidado para esse tipo de festa.
- Por quê? perguntou-lhe o chanceler da diocese.
- Porque passei a noite inteira sendo apresentado por meus colegas aos seus namorados.
E o que fez o chanceler da diocese?
Perguntou quem eram esses padres, para poder orientá-los espiritualmente ou mesmo exigir que abandonassem o sacerdócio?
Não.
- Fique calado e não fale mais dessas coisas, ou vai ver o que é bom para a tosse.

Ainda bem que sabemos que desde a renúncia de Bento XVI não existe mais nenhum lobby gay na Igreja. Se não, a situação poderia parecer preocupante.

Papa Francisco é contra o aborto



Em discurso pronunciado ontem diante do corpo diplomático credenciado no Vaticano, o papa Francisco enumerou o aborto entre os males que afligem a humanidade. Segundo o Bispo de Roma, o principal desses males é a fome, mas também merecem ser citados o desperdício de alimentos (atenção, crianças, com o olho maior que a barriga!), o aborto, os soldados mirins, as vítimas de guerra e o tráfico de pessoas.

Eis o texto em questão:

Além disso a paz se vê ferida por qualquer negação da dignidade humana, sobretudo pela impossibilidade de alimentar-se de modo suficiente. Não nos podem deixar indiferentes os rostos dos que sentem fome, principalmente as crianças, se pensarmos na quantidade de alimentos que são desperdiçados a cada dia em muitas partes do mundo, imersas no que defini em várias ocasiões como a «cultura do descarte». Infelizmente, objeto de descarte não é só o alimento ou os bens supérfluos, mas com frequência os próprios seres humanos, que são «descartados» como se fossem «coisas desnecessárias». Por exemplo, causa horror só de pensar nas crianças que nunca poderão ver a luz, vítimas do aborto, ou nas que são utilizadas como soldados, os violentados ou assassinadas nos conflitos armados, ou que são objeto de comércio nessa tremenda forma de escravidão moderna que é o tráfico de seres humanos, e que é um crime contra a humanidade.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Coincidências e mais coincidências vaticanas


No site ratzingeriano francês Benoît et moi, um post curioso.

No dia 1o. de janeiro de 2013, por motivos "técnicos", deixaram de funcionar todos os caixas eletrônicos do Vaticano. O problema teria sido a falta de autorização por parte do banco central italiano ao Deutsche Bank Italia, gestor do serviço.

Com pagamentos apenas em espécie, o prejuízo diário do Vaticano era de 30 mil euros.

Era a hora da grande turbulência, com montanhas de denúncias todos os dias sobre escândalos no Vaticano. A tormenta levou à renúncia de Bento XVI, como se sabe.

Pois bem, no dia 12 de fevereiro, ou seja, no dia seguinte à declaração por parte de Bento XVI de que renunciaria ao sumo pontificado, eis que - surprise! - todos os caixas eletrônicos do Vaticano voltaram a funcionar. Dir-se-ia que também foram tomados pela nova alegria e ternura que perfuma os ares da Sede papal.

Quantas coincidências por lá nestes últimos tempos!

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Fim do lobby gay no Vaticano


Já há vários meses não ouvimos nada sobre o famoso lobby gay, de que tanto se falou no fim do pontificado de Bento XVI. Sua existência foi reconhecida pelo próprio Bispo de Roma, nos primeiros tempos de seu pontificado.

Hoje, silêncio absoluto.

Certamente todos aqueles altos prelados, entusiastas da sodomia passiva, tão tocados ficaram com o carisma do novo Romano Pontífice, que abandonaram em massa suas lúbricas práticas e passaram a dedicar-se alegremente à evangelização dos existencialmente periféricos.

Renúncia e chantagem


Vale lembrar que, segundo o Código de Direito Canônico, as duas condições de validade da renúncia papal são: 1. que seja decidida livremente; 2. que seja devidamente manifestada (332, parágrafo 2).

Portanto, se porventura tiver havido algum tipo de pressão ou de chantagem pela renúncia de Bento XVI que tenha comprometido o seu caráter de escolha livre, a renúncia terá sido inválida e ele terá continuado a ser o verdadeiro Papa, sucessor de Pedro e vigário de Cristo.

Obviamente, cumpre determinar a extensão da noção de pressão e de chantagem.

De qualquer modo, que frágeis fundações para tão alta autoridade...

Just wondering.

Papa Francisco: o pensamento abstrato não é de Jesus



"Se um pensamento, um desejo te leva à autossuficiência, à vaidade, ao orgulho, ao pensamento abstrato, não é de Jesus".
(Homilia em Santa Marta, 7/1/2014)

Pobre metafísica, pobre Santo Tomás, Pobre Santo Agostinho: em que triste companhia andais.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Scalfari e Francisco: Quem é Deus para julgar?


Dando sequência à expressão pública, em seu jornal, de sua paixão pelo papa Francisco, Scalfari, o poderoso chefão maçom de La Repubblica, tira as devidas consequências do primado ético dado por Bergoglio à consciência humana na determinação do que é bom e do que é mau . Mais um ato revolucionário do atual pontificado: pela primeira vez na história o Sumo Pontífice recebe lições públicas de teologia - e ainda de teologia moral! - de um irmão iluminado. Eis o texto:

Nasceu uma polêmica sobre o tema do pecado e, segundo alguns dos meus críticos, eu teria sustentado que o Papa o tenha de fato abolido. Não disse isso: um Papa católico não pode abolir o pecado, pode estender a todas as almas a misericórdia divina até aquele último instante de uma vida de pecados graves e repetidos; mas naquele instante final, se o pecador se arrepender, será perdoado. O pecado, pois, existe e exige arrependimento. 

Até aqui estamos de pleno acordo com a doutrina, com o cânon e também com o Deus mosaico dos Mandamentos. Mas - esta é a novidade de Francisco - o Papa recorda que o homem foi criado livre. É ele que decide o seu comportamento e foi Deus que assim o criou. Qual é a verdade revolucionária deste reconhecimento? Não que o homem escolha o mal, pois neste caso morre condenado; mas que o homem escolhe o bem tal como o imagina. Há, portanto, um cânon ético nesta escolha. A ética vem em primeiro lugar em cada religião, em cada civilização, em cada época; mas a ética é requisito mutabilíssimo de homem para homem, de sociedade para sociedade, de  tempos e lugares. Se a consciência é livre e se o homem não escolhe o mal, mas escolhe o bem tal como lhe parece, então o pecado desaparece de fato e, com ele, a punição.

De fato, se, como declarou o papa Francisco, cada um deve fazer o bem tal como lhe parece, quem é Deus para julgar?
Há aí uma óbvia incoerência doutrinal que decorre necessariamente da autonomia moral da consciência defendida por Francisco em suas entrevistas.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Dogma e corrupção moral segundo Romano Amerio


Sábias e, desgraçadamente, proféticas palavras de Romano Amerio:

[A Igreja] se perde, não quando as fraquezas humanas a colocam em contradição (tal contradição é inerente ao estado de peregrinação), mas só quando a corrupção prática se ergue tanto, a ponto de manchar o dogma e de formular em proposições teoréticas as depravações que se encontram na vida.

(Iota unum, p.28)

Dominicanos dançam Lady Gaga: exemplo para os Franciscanos da Imaculada



Alegres discípulos polacos de São Domingos em oração segundo o espírito de Dom Braz de Aviz e de Lady Gaga.
Um exemplo a ser seguido pelos perversos e perigosos Franciscanos da Imaculada.

Francisco recomenda rigor contra Franciscanos da Imaculada

O papa e o interventor: ternura e cacetada

 "Vá em frente, padre Fidenzio, não recue! Caridade, mas firmeza!". São estas as palavras do Papa Francisco ao padre Fidenzio Volpi, o interventor apostólico que desde julho dirige os Franciscanos da Imaculada por decisão da Congregação dos religiosos, depois que uma visita apostólica havia detectado um profundo racha dentro do Instituto.

São palavras de Salvatore Izzo no blog Il Sismografo.

Depois, segundo o mesmo jornalista, voltando-se para dois frades que acompanhavam o Interventor, disse o Papa: "Obedeçam esse homem!"

Para uma adequada perspectiva moral sobre o caso, vale a pena ler as calorosas e esperançosas palavras com que o padre Apollonio (ver post abaixo) saudou o Papa logo após sua eleição: "o Papa da Imaculada, o Papa de Fátima, o Papa, esperamos, do Triunfo do Coração Imaculado." Mais adiante, dizia esperar também que o atual Bispo de Roma definisse o dogma da Corredenção mariana.

Coitado.

É de chorar.

domingo, 5 de janeiro de 2014

Franciscanos da Imaculada: Duns Scot e a Santíssima Virgem Imaculada

Belíssima conferência do padre Apollonio, FI, em italiano, sobre o pensamento do beato Duns Scot acerca da Virgem Imaculada. Padre Alessandro Apollonio é grande especialista na matéria, tendo sido um dos responsáveis pela tradução e edição crítica do Doutor Sutil. Aqueles que têm uma familiaridade mesmo que pequena com os textos do grande filósofo franciscano sabem das enormes dificuldades que uma tarefa dessas implica. Não é para qualquer um, mesmo!! Padre Apollonio é também um dos alvos da covarde e vergonhosa perseguição contra esses perigosíssimos frades da Imaculada, que ameaçam perverter a nossa casta e ingênua juventude com seu exemplo. A que ponto chegamos!

Carta aberta ao Papa sobre a suspensão da Missa Tridentina em Santa Maria Maggiore



Tradução da carta do Coetus Summorum Romano ao papa Francisco, pedindo o restabelecimento da celebração da missa tridentina no primeiro sábado de cada mês, na basílica romana de Santa Maria Maggiore. Trata-se de um costume de 14 anos, que foi interrompido ontem, sem mais explicações, pelo Arcipreste da Basílica, o cardeal Santos Abril y Castilló. 

Mais um episódio venatório que vem juntar-se aos inúmeros ocorridos desde a abertura da temporada de caça aos católicos tradicionais decretada pelo Bispo de Roma.

Cabe agora saber se e como o Papa vai responder a tão desprezíveis, malcheirosos, reacionários e ínfimos fiéis.

Tradução Yours Truly.


Santo Padre,

dirigimo-nos a Vossa Santidade como Pastor Supremo da Igreja universal e nosso, para pedir a Sua autorizada intervenção em assuntos que recentemente vimos observando e padecendo com doloroso e atônito amargor.

Trata-se da progressiva abolição de celebrações da Santa Missa Antiquior ocorridas depois da suspensão, que provocou surpresa e emoção em todo o universo católico, das Missas celebradas pelos Franciscanos da Imaculada, problema em que obviamente não entramos, na espera dos resultados da Intervenção. Limitamo-nos, porém, a sublinhar que, para além dos problemas internos à Ordem e sem nenhuma referência a eles, foram suprimidas as celebrações garantidas em Centros de excelência, alguns já fechados, outros agonizantes, cujos animadores foram afastados com a genérica motivação da "missão", embora sua missão se desenvolvesse  com grande edificação dos fiéis a eles confiados, cujas vozes angustiadas - expressas oficialmente pela Coordenação Nacional Summorum Pontificum – não foram ouvidas, nem pelo novo Superior, nem pelos próprios bispos. 

Desde ontem, primeiro sábado do ano, o machado inexorável se abateu também sobre a celebração do primeiro Sábado do mês na Capela Cesi de Santa Maria Maggiore, a Basílica Papal que Lhe é tão querida, interrompendo um costume de catorze anos.

Não conseguimos compreender como a Santa e Divina Liturgia, liberada para toda a Igreja Universal pelo Motu proprio do Seu amado predecessor, possa ser objeto de tal exclusão pastoral.

Pedimos, pois, a Sua autorizada intervenção para que seja restabelecido o ius divinum do Senhor para o culto a Ele devido segundo uma Tradição bimilenar e o direito pastoral dos fiéis que o custodiam - una cum Papa nostro -  muito longe das propagadas suspeitas de fixismo de museu.

Somos crentes devotos e unidos no Senhor e na oração à Cátedra de Pedro, e esperamos de Vossas Santidade uma palavra de simpatia e acolhimento que a sua ternura não nega aos mais distantes e aos últimos. A nossa "periferia" de fiéis, marginalizados, não raro até ignorados, quando não desprezados, chora e geme por esses mal-entendidos e essas exclusões que acontecem de modo ainda mais inesperado, por serem tais Missas reconhecidas e sancionadas  pela Tradição Apostólica até nós chegada e confirmadas pelo mencionado motu proprio de Bento XVI.

Certos de Seu paternal acolhimento, Pedimos a Vossa Santidade um sinal da Sua ternura, pelo restabelecimento da nossa Santa Missa mensal em Santa Maria Maggiore, justamente na Basílica Papal que Lhe é tão cara. Recordando que o primeiro sábado do mês é dedicado à emocionada e amorosa devoção à Santa Virgem, em reparação pelas muitas ofensas que infelizmente são feitas todos os dias ao seu Coração Imaculado.

Com os sentimentos da nossa profunda devoção, em união de oração em Cristo Senhor, aguardamos uma Sua palavra de paternal aprovação.

Coetus Summorum Romano

Teoria do gênero e materialismo


É curioso observar que, ao negar o fator biológico, portanto material, na constituição da identidade pessoal, os defensores da teoria do gênero se afastam do materialismo, que desde o século XVIII, pelo menos, é a marca registrada da esquerda radical.

Seria a homomania uma ideologia espiritualista?

Dada a natureza espiritual dos anjos e a disposição de alguns deles contra a humanidade, não seria uma surpresa.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Ladainha do Santo Nome de Jesus em latim



Ladainha recitada por gerações e gerações de católicos toda manhã, nos bons tempos.

Só de pensar nesse vocativo, Jesu, reservado ao contato direto com o Lógos encarnado, já é de estremecer!

Ao rezar, não esquecer que se um só de nossos pedidos não for aceito, é a nossa salvação que está em jogo.

Kyrie eleison,
Christe, eleison,
Kyrie eleison.

Jesu, audi nos,

Jesu exaudi nos.

Pater de cœlis, Deus, miserere nobis
Fili Redemptor mundi, Deus, miserere nobis
Spiritus Sancte, Deus, miserere nobis
Sancta Trinitas, unus Deus,
 miserere nobis
Jesu, Fili Dei vivi,
 miserere nobis
Jesu, spléndor Patris, miserere nobis
Jesu, càndor lucis æternæ,
 miserere nobis
Jesu, Rex gloriæ, miserere nobis
Jesu, sol justitiæ,
 miserere nobis
Jesu, Fili Mariæ Virginis,
 miserere nobis
Jesu, amabilis, miserere nobis
Jesu, admirabilis,
 miserere nobis
Jesu, Deus fortis, miserere nobis
Jesu, pater futuri sæculi,
 miserere nobis
Jesu, magni consilii angele, miserere nobis
Jesu, potentissime, miserere nobis
Jesu, patientissime,
 miserere nobis
Jesu, obedientissime, miserere nobis
Jesu, mitis et humilis corde,
 miserere nobis
Jesu, amàtor castitatis, miserere nobis
Jesu, amàtor noster, miserere nobis
Jesu, Deus pacis,
 miserere nobis
Jesu, áuctor vitæ, miserere nobis
Jesu, exémplar virtutum,
 miserere nobis
Jesu, zelàtor animarum, miserere nobis
Jesu, Deus noster, miserere nobis
Jesu, refugium nostrum,
 miserere nobis
Jesu, pater pauperum, miserere nobis
Jesu, thesaure fidelium, miserere nobis
Jesu, bone pastor, miserere nobis
Jesu, lux vera,
 miserere nobis
Jesu, sapientia æterna,
 miserere nobis
Jesu, bonitas infinita, miserere nobis
Jesu, via et vita nostra, miserere nobis
Jesu, gaudium angelorum,
 miserere nobis
Jesu, rex Patriarcharum, miserere nobis
Jesu, magìster Apostolorum,
 miserere nobis
Jesu, dóctor Evangelistarum,
 miserere nobis
Jesu, fortitudo Martyrum, miserere nobis
Jesu, lumen Confessorum, miserere nobis
Jesu, púritas Virginum, miserere nobis
Jesu, corona Sanctorum omnium, miserere nobis
Propitius esto, parce nobis, Jesu
Propitius esto, exaudi nos, Jesu
Ab omni malo, 
líbera nos, Jesu
Ab omni peccato, líbera nos, Jesu
Ab ira tua,
 líbera nos, Jesu
Ab insidiis diaboli,
 líbera nos, Jesu
A spiritu fornicationis,
 líbera nos, Jesu
A morte perpetua, líbera nos, Jesu
A neglectu inspirationum tuarum,
 líbera nos, Jesu
Per mysterium sanctæ incarnationis tuæ,
 líbera nos, Jesu
Per nativitatem tuam,
 líbera nos, Jesu
Per infantiam tuam, líbera nos, Jesu
Per divinissimam vitam tuam,
 líbera nos, Jesu
Per labores tuos,
 líbera nos, Jesu
Per agoniam et passionem tuam,
 líbera nos, Jesu
Per Crucem et derelictionem tuam,
 líbera nos, Jesu
Per languores tuos,
 líbera nos, Jesu
Per mortem et sepulturam tuam,
 líbera nos, Jesu
Per ressurrectionem tuam, 
 líbera nos, Jesu
Per ascensionem tuam,  líbera nos, Jesu
Per Sanctissimæ Eucharistiæ institutionem tuam, líbera nos, Jesu
Per gáudia tua, líbera nos, Jesu
Per glóriam tuam,
 líbera nos, Jesu
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, parce nobis, Jesu
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, exaudi nos, Jesu
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis
Jesu, audi nos,
Jesu, exaudi nos,


Domine Iesu Chiristi, qui dixisti: Pétite, et accipietis; quaérite, et invenietis; pulsáte et aperietur vobis; quaésumus da nobis, peténtibus,divinissimi tui amoris affectum, ut te todo corde, ore et opere diligamus et a tua nunquam laude cessemus. 

Sancti nominis tui, Domine, timorem pariter et amorem facnos habere perpetuum. quia nunquan tua gubernatione destituis,quos in soliditare tuae dilectionis instituis. Qui vivis et regnas in saecula saeculorum.



Amén.



Francisco e os microfones


A Igreja é hoje uma sala de conferências cujo sistema de som está em mãos de seus inimigos. Quando se fala algo que não aprovem, cortam o microfone. A alegre solução encontrada por Francisco consiste em só falar o que eles aprovam, o que resolve o problema de vez..

Heróis da Grande Avacalhação Pós-Conciliar: Dom João Braz de Aviz, o Calvo


Grande Inquisidor, devoto fiel da evangelização pela ternura e pela cacetada, leitor voraz dos gibis do Incrível Hulk, Dom João Braz de Aviz, o Calvo, valeu-se desses conhecimentos científicos na intervenção contra os Franciscanos da Imaculada. Tem muito boas relações com a imprensa. No Conclave que antecedeu a eleição de Francisco, foi acusado pelo cardeal Tarcisio Bertone de vazar documentos secretos, numa referência ao escândalo do IOR e dos Vatileaks.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Francisco e a ternura de mão única



Abaixo, tradução de um texto do blog italiano Opportune importune, de autoria de Cesare Baronio. Chama-se Mão única e vai direto ao ponto no que se refere à pretensa ternura do papa Francisco, que por um lado se mostra aberto a tudo o que é politicamente correto, mas trata cruelmente os Franciscanos da Imaculada e tudo o que se refere à Tradição. Dois pesos, duas medidas?


De alguns meses para cá, tem sido ressaltada de maneira cada vez mais evidente na Hierarquia – e, sobretudo, na figura do Pontífice reinante -  a estridente dicotomia entre uma abertura formal para o mundo e um fechamento substancial ao dissenso interno à Igreja, onde por dissenso nos referimos apenas à ala conservadora e tradicionalista do mundo católico, uma vez que a ala progressista se vê muito encorajada, representada e protegida pela mais alta hierarquia.

Essa suposta abertura, esse ar de novidade que, segundo alguns, finalmente se respira depois do asfixiante Pontificado de Bento XVI, é destilado nos aforismos – que, por vezes, soam como boutades provocativas - do Papa Francisco, o qual goza de uma superexposição mediática vinda do seu protagonismo e da inquietante coincidência das suas ideias com as do século. 

Obviamente, o entusiasmo unânime do mundo laico - de Scalfari ao Grande Oriente -, longe de soar como toque de alarme para o Clero e o laicato católico, parece confirmar aquele clima de desistência, diríamos até de entente cordiale entre a Igreja e o mundo. Habitualmente, nós, profetas do apocalipse, vemos ali uma inquietante confirmação dos mais negros presságios daqueles que, já há mais de cinquenta anos, veem nesta abertura para o mundo inaugurada por Roncalli um autêntico desastre para a Esposa de Cristo, que venceu o mundo. 

Gostaríamos, porém, de ver se as palavras de Bergoglio, que é ou pelo menos deveria ser nosso pai comum e, portanto, dirigir-se a todos os fiéis católicos, podem ser efetivamente aplicadas a todos ou se, pelo contrário, não se revelem de sentido único, em uma direção muito precisa. Faremos isso citando o Papa e vendo se, parafraseando as suas augustas palavras, as suas afirmações permanecem válidas.

  • Se uma pessoa é gay e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la? 
  • Se um Frade da Imaculada é tradicionalista e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-lo, nomeando um interventor para a Ordem?  
Oops, esta não funciona, como se viu por fatos recentes. Vamos tentar outra. 
  • As nossas certezas podem tornar-se um muro, um cárcere que aprisiona o Espírito Santo. 
  • As nossas certezas sobre o Concílio, sobre o ecumenismo, sobre o laicismo podem tornar-se um muro, um cárcere que aprisiona o Espírito Santo.
Essa também não: quem mexe com o Concílio morre; quem critica os abraços com os heréticos, cismáticos, idólatras é um reacionário a ser silenciado. Mais uma:

  • Os fundamentalismos surgem quando os  problemas são vistos à luz das ideologias. Os valores não devem ser reduzidos a uma ideologia.  
  • Os fundamentalismos surgem quando os problemas são vistos à luz da ideologia conciliar e modernista. Os valores não devem ser reduzidos a uma ideologia. 
Nada a fazer: se acreditamos no que os Papas nos ensinaram até o Concílio, somos inevitavelmente  fundamentalistas; mas se, depois da crise pós-conciliar teimarmos em dizer que tudo vai bem, mesmo se as almas se perdem, então não há nada  a contestar. Tentemos de novo: 

  • Nestes tempos de crise, é importante não nos fecharmos em nós mesmos, mas abrir-nos, estarmos atentos ao outro.  
  • Nestes tempos de crise para a Igreja, é importante não nos fecharmos em nós mesmos e nas nossas convicções conciliaristas, mas abrir-nos, estarmos atentos ao outro, mesmo se tradicionalista, mesmo se pede a Missa tridentina, se quer estudar para padre num seminário católico.  

Não há como: assim que veem que você não venera o ídolo conciliar, que sente até certa perplexidade diante dos encontros ecumênicos ou que não consegue rezar nas Missas reformadas porque falta o senso do sagrado, todos se fecham em suas couraças, rotulam você de fanático e tudo o que pedir é ignorado ou condenado. Insistamos:



·        Sair de nós mesmos é sairmos também do jardim das nossas convicções consideradas inamovíveis, se elas ameaçarem tornar-se um obstáculo, se fecharem o horizonte que é de Deus.
·        Sair de nós mesmos é sairmos também do jardim progressista das nossas convicções sobre a liturgia conciliar e sobre o ecumenismo, consideradas inamovíveis pelos inovadores, se elas ameaçarem tornar-se um obstáculo para os tradicionalistas, se fecharem o horizonte que é de Deus, privando muitos católicos da Missa católica.

Não foi desta vez: toda frase de Bergoglio funciona para os progressistas, mas naufraga miseravelmente quando aplicada aos católicos normais...  Mais uma tentativa:

  • Uma vez uma pessoa, em tom de provocação, me perguntou se eu aprovava a homossexualidade. Respondi, então, com outra pergunta: “Diga-me: Deus, quando olha para um homossexual, aprova a existência dele com ternura ou o rejeita, condenando-o?”
  •  Uma vez uma pessoa, em tom de provocação, me perguntou se eu aprovava o tradicionalismo. Respondi, então, com outra pergunta: “Diga-me: Deus, quando olha para um tradicionalista, aprova a existência dele com ternura ou o rejeita, condenando-o, como costumamos fazer?”

Tentemos de novo, talvez desta vez dê certo:



·        Penso também na situação de uma mulher que tem pelas costas um casamento fracassado, no qual também abortou. Depois, essa mulher tornou a casar e agora está tranquila, com cinco filhos. O aborto enche-a de dor e está sinceramente arrependida. Ela gostaria de levar uma vida cristã. O que o confessor vai fazer?
·        Penso  também na situação de um sacerdote que tem pelas costas uma suspensão a divinis por ter rezado a  Missa de São Pio V e que também foi excomungado. Depois, esse sacerdote entrou na Fraternidade São Pio X e hoje é feliz, com uma bela comunidade de fiéis. A excomunhão enche-o de dor e  gostaria de ir em frente na vida de sacerdote. O que o confessor vai fazer, além de recusar-lhe a absolvição e obrigá-lo, se quiser voltar à comunhão com o Papa, a aceitar o Concílio e a celebrar uma missa quase luterana? 

Outro fracasso. Última tentativa:


·        Quer convencer um outro a se tornar católico? Não, não, não! Vai encontrá-lo, é seu irmão! E isso basta.
·        Quer convencer um outro a se tornar modernista? Não, não, não! Vai encontrá-lo, é seu irmão! E isso basta.


Quod erat demonstrandum: acolhe-se a todos, mas para os Católicos não há lugar no circo conciliar. A nós, ostracizados, exilados, desprezados, excomungados, marginalizados, só resta tirar disso tudo as devidas conclusões. 

What's the deal?



Silêncio sobre o casamento gay e a adoção de crianças por casais homossexuais, silêncio sobre o aborto, diluição ainda mais aguada da doutrina católica, redução da caridade à fraternidade, apoio total à imigração na Europa, salvação de outras religiões sem Cristo, perseguição aos católicos tradicionais (Franciscanos da Imaculada), rompimento das negociações com a FSSPX, canonização con moto de João Paulo II (o papa que excomungou a FSSPX - o que torna definitiva a ruptura) e, de quebra, otras muchas cositas más.

Em troca, fim da campanha de imprensa contra o Vaticano.

Negócio fechado.