Pesquisar este blog

sábado, 6 de julho de 2013

Conselhos do pe. Surin a uma religiosa


Não tenhas outro desejo, minha querida filha, senão contentar a Deus, estar em Seu coração e em Sua amizade.Fortalece-te neste propósito pela visão da morte, da vacuidade das coisas da terra, e vive de acordo com as ideias e os sentimentos que terás quando estiveres prestes a morrer. Pensa sempre no amor que Jesus Cristo tem por nós, no auxílio e na proteção que Ele dá aos que O amam.

Repousa na humildade como num abrigo. Alegra-te, minha querida filha, quando, em teu convento, não te derem nenhum valor e nem pensarem em te indicar para nenhuma coisa minimamente honrosa. Ah! se pudesses vir ao amor íntimo de Jesus Cristo, seria para ti uma festa seres zombada, vaiada e tida como alguém sem sabedoria, sem inteligência, nem capacidade, mas vista como bicho inútil. Ah! se pudesses compreender a excelência desse rebaixamento, nele descobririas um rico tesouro que brilharia aos teus olhos como pedra preciosa ou fino diamante. Será preciso chegar lá, ou não entenderás nada do que digo. Tampouco me entenderás se não ficares contente por ser objeto de desprezo, de desdém e de repulsa para todos, e se ali não te repousares como descansas de grande cansaço em cama aconchegante. Se não forem estes teus sentimentos, considero que estás bem aquém do noviciado de Jesus Cristo e, se eu não julgasse que fosses capas de apreciar estas verdades, estaríamos longe de chegar a um acordo.

Empenha-te, pois, em alcançar esses bens preciosos. Começa pelo desprezo de ti mesma. Apaga todas as vantagens naturais que te possam proporcionar alguma honra, alguma estima. É horrível como a nossa filosofia humana e as nossas modificações nos afastam da fonte do verdadeiro bem e do fulgor luminoso que nele se encerra e se esconde."Quem tem ouvidos para ouvir, ouça."

(Pe. Surin, Correspondance, ed. Michel de Certeau, carta 335, p. 1036)

O pe. Surin, SJ, um dos maiores escritores místicos franceses, tornou-se célebre pelo caso de possessão demoníaca das freiras de Loudun, de que foi o exorcista. Para salvar as religiosas, ele fez um trato com o demônio, e se ofereceu em troca delas. O trato foi aceito pelo maligno, as freiras voltaram à vida religiosa e o pe. Surin passou 18 anos completamente fora de si, até poder ele mesmo vencer o demônio e voltar à vida em  Cristo.

O príncipe das letras francesas, SAR Julien Green, prefaciador da grande edição da Correspondência de Surin, dizia que deveríamos recolher as palavras do místico jesuíta em "taças de ouro". Este blog concorda amplamente. Como antídoto ao cristianismo adocicado, morno, sujo e aguado que assola boa parte de nossas igrejas, nada como a leitura do vertiginoso e luminoso exorcista de Loudun.

Nenhum comentário:

Postar um comentário