Pesquisar este blog

sábado, 15 de dezembro de 2012

O exame de consciência diário, segundo o Venerável frei Tomé de Jesus

Venerável Frei Tomé de Jesus 
(1529-1583)

Sugestão de exame de consciência para o fim do dia do aspirante à vida espiritual. A oração entre aspas é de Santo Agostinho, em tradução do grande místico português, prisioneiro em Alcácer Quibir. Uma joia da literatura espiritual católica.

Feito o sinal da Cruz e dito o Pater Noster e Ave Maria, como já fica declarado, se apresente diante de Deus como filho pródigo diante de seu Padre eterno, que vê quão desbaratado e perdido é e que só o pode remediar; ou como o Publicano que não vê em si senão pecados e misérias e não ousa a alevantar os olhos ao Céu. Ou como a Madalena aos pés do Senhor, carregada de pecados e que em todos se submete à sua misericórdia. Ou como o Leproso, que de longe pedia ao Senhor que o alimpasse; ou como o servo mau, que não tinha com que pagasse o que devia, e prostrado aos pés do Senhor lhe pedia misericórdia; ou como uma vilíssima e baixíssima criatura diante dos olhos da Soberana Majestade, e obrigadíssima a infinitas misérias e necessitadíssima de suas misericórdias. Com qualquer destas considerações ou outra que mais o possa mover e humilhar, apresentado diante da divina misericórdia faça a confissão geral a Deus e a toda a corte celestial com o maior sentimento da alma que puder; a qual acabada, cuide e traga à memória como guardou aquele dia seus propósitos, assim gerais como particulares, e as culpas em que entende que ofendeu ao Senhor; em cada cousa destas em que vir falta em si, tenha particular dor e vergonha diante de Deus e louve sua bondade que o sofre; e torne diante de Deus a reformar e renovar propósitos contra as faltas em que se acha compreendido, determinando de se confessar das culpas que tem cometido; e feito isto com a mais humildade e sentimento que puder, com o coração derribado aos pés do Senhor e com o corpo também, se for necessário, fale com Ele desta maneira:

"Eis aqui, Senhor, a vossa miserável criatura, eis aqui a quem tanto amastes e amais e por quem tanto fizestes; tão desaproveitada, tão fraca, tão perdida como vós vedes. Eis aqui o traidor a todas vossas mercês, e desleal em todos vossos serviços: tão largo em prometer, tão fraco e miserável em cumprir. Que será de mim, Senhor, sem a vossa misericórdia? Sem vós, Senhor, nem sei, nem posso, nem valho nada: sei pecar e não me sei remediar; sei cair, e não me sei alevantar; sei perder-vos, e não vos sei cobrar; sei lançar-vos de mim, e não vos sei buscar; sei ofender-vos e não vos sei contentar; se a vossa luz e a vossa graça me não favorece e ajuda. Vós vedes, Senhor, que tudo há de vir de vossa mão, a vontade, o desejo e pôr por obra o que em mim inspirais. Ó amador benigníssimo dos homens! Vós sois o verdadeiro amparo dos órfãos, vós sois o remédio dos necessitados. Eis aqui o vosso pobríssimo e miserável pecador, todo remetido a vossa misericórdia e bondade; lançai-me os olhos de vossa misericórdia e piedade e esquecei-vos, Senhor, de meus males, compadecei-vos de minhas misérias e regai este miserável coração com essa fonte viva de vossa eterna bondade. Ó luz verdadeira, não me deixeis em minhas trevas! Ó fortaleza infinita, esforçai minha miserável fraqueza: recebei, Senhor, meu desejo, ajudai esta pobre vontade, esquecei-vos do que vos mereço, e dai-me o que na Cruz me merecestes. Tal qual sou, vosso quero ser, supri com vossa bondade o que falta a minha miséria. A bondade, Senhor meu, com que me dais a boa vontade, o desejo de vos servir, essa vos mova a fazerdes em mim o que de mim quereis, para que tudo seja honra e glória vossa. Amém."

Acabado este oferecimento, humilde reze algum salmo ou alguns Pater nostres às Chagas do Senhor e a Nossa Senhora e aos Santos seus advogados, em satisfação de suas faltas e pedindo ajuda e favor para emenda delas, e alevante-se com cuidado de ser fiel a Deus em cumprir o que neste exercício do exame propuser.

(Frei Tomé de Jesus, Trabalhos de Jesus, primeira parte, Porto, Arte no Templo e no Lar, 1925, pp 35 a 38. Ortografia modernizada).

Nenhum comentário:

Postar um comentário