Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Os bastidores da AIDS: muito dinheiro, muita política, pouca ciência, nenhuma verdade



Um brilhante documentário que certamente vai mudar a ideia que você faz da AIDS: The House of Numbers, dirigido pelo canadense Brent W. Leung.

Com depoimentos de figurões do mundo acadêmico e político, são investigados aspectos comerciais, culturais, científicos, políticos, econômicos e medicinais da AIDS, em sua suposta relação com o vírus HIV.

Texto em inglês com legendas em espanhol. Está disponível no Youtube uma versão com legendas em português, mas a tradução é tão ruim que mais vale apresentar a espanhola.

Para quem queira aprofundar-se no assunto, vale a pena visitar o site do prof. Peter Duesberg, da Universidade de Berkeley, um dos mais devastadores críticos das teorias oficiais sobre a Aids.

6 comentários:

  1. Vai devagar, eu não consigo com tanta coisa para pensar e ler, processar o tanto de informação deste post. O filme me deixou confuso, o professor me deixou de ponta cabeça. Realmente, não sei o que pensar, ao menos por enquanto. Material fantástico temos aqui, prezado. Agradeço, como sempre.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Nik. Não é de admirar que num mundo anticristão a verdade seja vilipendiada.

    ResponderExcluir
  3. De fato, a verdade tem sido escondida com cada dia menos esforço, simplesmente porque, com sucessivas gerações se formando sem a ela conhecer, menos se procura por ela - as primeiras causas nunca sao iguais às ultimas. Todavia, sobre o assunto do filme acima, me perguntei, por um segundo, se ele não seria um trabalho do movimento gay pois, afinal, a GRID foi associada a determinados comportamentos sexuais não naturais e, se não há perigo, podemos tudo. Mas não é esta a melhor conclusão preliminar sobre o filme; a quantidade de cientistas coroados aponta para outra hipotese... Que meu cérebro adestrado se recusa a compreender. Cheguei num impasse, ou no meu limite. Preciso que alguém seja mais explicito e direto, pois se não podemos imaginar o céu, ao qual desejamos, o que dizer do inferno, do qual sempre lutamos por repelir. Não pode ser tão infernal assim este mundo.

    ResponderExcluir
  4. É verdade, toda essa confusão acaba dando nos nervos mesmo, e é difícil suportar. É por isso que eu sempre privilegio um enfoque positivo, no sentido de preservar a Fé, nossa relação com Deus, sumo bem. Quanto ao filme, existem muitos outros sites com textos bem mais explícitos. O prof. Duesberg, por exemplo, num vídeo, atribui boa parte da conspiração de silêncio que o rodeia ao lobby gay, nem um pouco interessado em ver apontado como causa da AIDS o uso excessivo de drogas e a promiscuidade anal generalizada na comunidade homossexual: daí a ampliação das definições da doença e o diagnóstico cada vez menos preciso na África, por exemplo, para incluir o maior número possível de heterossexuais e afastar o estigma. Mas confesso que ainda não consigo ver com clareza nessa história toda.

    ResponderExcluir
  5. Estamos no mesmo lugar, portanto! Não temos a proteção e a justificativa daquelas três crianças na Cova da Iria para adentrarmos o inferno e de lá sairmos ilesos e sãos. Não, jamais não! Se o outro lado desta historia é toda a obra espiritual do Maligno, me pergunto se devemos nos esforçar tanto para conhecê-lá. Você tem razão, vamos rezar, confiar em Deus e pedir por sua misericórdia e providencia. Já vi seu post novo, sobre o assunto. Vou ver se consigo assistir ao novo video hoje. Paz, meu irmão!

    ResponderExcluir
  6. Acho importante estar consciente desse tipo de coisa, permite pôr em perspectiva a situação da Igreja no mundo. Além disso, casos como esse tocam um problema essencial na política, na moral e até mesmo na teologia católica, que é o da manipulação. Como fica a responsabilidade individual em tempos de manipulação de massas? Em breve vou abrir um post com uma estarrecedora entrevista do prof. Duesberg sobre o que aconteceu com sua carreira ao ousar enfrentar a máfia que domina o establishment acadêmico. É importante mostrar como está funcionando a pretensa "comunidade científica", numa época em que o mundo acadêmico assumiu em quase todo o mundo uma postura francamente anticristã. Tudo isso pode ser visto como uma espécie de preambula fidei para a Fé católica. É bonito ver que a Igreja nada tem a ver com esse tipo de coisa. Etc.

    ResponderExcluir