Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Os bastidores da AIDS: muito dinheiro, muita política, pouca ciência, nenhuma verdade



Um brilhante documentário que certamente vai mudar a ideia que você faz da AIDS: The House of Numbers, dirigido pelo canadense Brent W. Leung.

Com depoimentos de figurões do mundo acadêmico e político, são investigados aspectos comerciais, culturais, científicos, políticos, econômicos e medicinais da AIDS, em sua suposta relação com o vírus HIV.

Texto em inglês com legendas em espanhol. Está disponível no Youtube uma versão com legendas em português, mas a tradução é tão ruim que mais vale apresentar a espanhola.

Para quem queira aprofundar-se no assunto, vale a pena visitar o site do prof. Peter Duesberg, da Universidade de Berkeley, um dos mais devastadores críticos das teorias oficiais sobre a Aids.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A Bíblia de São Luís e o Breviário de Isabel, a Católica

O primeiro se encontra no tesouro da Catedral de Toledo. Composto por ordem da rainha Branca de Castela para a educação religiosa de seu filho, o rei São Luís de França, foi mais tarde oferecida por este a seu primo, o rei São Fernando de Castela: de rei e santo para rei e santo.
Tido como o mais belo e valioso livro jamais composto.



O segundo é o breviário de Isabel, a Católica, com iluminuras dos 6 maiores mestres na arte em Flandres, inclusive o grande Gérard David. Tido como o mais precioso volume da British Library. Fica a pergunta: como teria ido parar lá? Conhecendo a história da monarquia inglesa e sua longa ficha criminal, não é difícil adivinhar...

Processo abre caminho para legalização do incesto na França

Notícia do Le Monde do dia 13 deste mês, abaixo traduzida, mostra a próxima etapa no apodrecimento da Europa.



O Tribunal da região de Somme em Amiens julgará a partir da quarta-feira, 14 de novembro, um homem acusado de estupro com agravante em suas filhas, que garantem que consentiam com essas relações sexuais. Uma delas vive hoje como concubina do pai, de que tem um filho.


A mãe das moças, hoje com 29 e 31 anos, é julgada ao mesmo tempo que o  ex-marido, por cumplicidade no estupro com agravante em menor de 15 anos e por não denunciá-lo. Durante o  julgamento de primeira instância ante o tribunal da região de Oise, em maio de 2011, o pai fora condenado a oito anos de prisão, a mãe a cinco anos, sem mandato de prisão.

CABE À JUSTIÇA "DIZER O DIREITO OU A MORAL ?"
As relações sexuais haviam começado na adolescência das duas meninas, que "reivindicam hoje seu consentimento e seu amor pelo pai", explicou a dra. Florence Danne-Thiefine, advogada da mãe.
Segundo o dr. Hubert Delarue, advogado do pai, as jovens tinham mais de 15 anos quando as relações sexuais  começaram, o que deveria levar a um delito de corrupção de menor, julgado em processo criminal. "A particularidade deste processo é que as partes civis estão todas de acordo com o acusado", segundo o dr. Hubert Delarue, que considera que "a justiça não compreendeu o funcionamento dessa família." Trata-se de um caso "surpreendente, espantoso", de "confusão total dos gêneros", mas será que cabe à justiça "dizer o direito ou a moral?", pergunta o advogado.

"ERA TUDO UMA GRANDE ZORRA"

As moças constituíram-se como parte civil "para poderem assistir ao processo, para que não lhes privem de sua verdade", segundo o dr. Delarue. A família funcionava "de maneira autárquica, como um falanstério pós-68, com imensa proximidade de uns com os outros, era tudo uma grande zorra", descreve o advogado.

Sem problemas de alcoolismo ou de violência conjugal, a família vivia num"contexto social muito confortável, com um  chefe de família extremamente inteligente, que na época estava muito bem de vida, numa magnífica propriedade nos arredores de Compiègne", garante da dra. Florence Danne-Thiefine, a advogada da mãe. O estopim do caso foi uma das filhas, que se abriu para uma pessoa conhecida que, por sua vez, escreveu uma carta em nome dela, o que desencadeou uma investigação.

"TUDO ESTAVA COMPLETAMENTE DISTORCIDO"

Desde então a mãe se afstou do resto da família, que tem três outros filhos. "Desde o começo do processo", a ex-mulher acha que deve ser condenada pelos fatos que lhe são imputados, segundo sua advogada.
"Ela não explica como tudo começou, por que ou como, ela não tem capacidade intelectual para tanto, [...] mas com o tempo, ela compreendeu que tudo estava completamente distorcido", afirma a Dra. Danne Thiefine. O processo, que deve durar três dias, acontecerá provavelmente a portas fechadas, para "proteger" a criança que nasceu da união do pai e da filha, segundo o dr. Delarue.

(tradução Yours Truly)

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Grandes compositores católicos: Charles Gounod (1818-1893)

Duas obras:
1) a superfamosa Ave Maria, melodia sobreposta ao Prelúdio n. 1 do Cravo bem temperado de Bach, na interpretação da grande soprano italiana Renata Tebaldi



2) O magnífico Sanctus da Missa de Santa Cecília:

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A Vida eterna segundo São João

São João, Alessandro Algardi

2. Et vita manifestata est, & vidimus, & testamur, & annuntiamus vobis vitam aeternam, quae erat apud Patrem, & apparuit nobis. [Pois a vida se tornou visível: nós a vimos, dela testemunhamos e vos anunciamos essa Vida eterna que estava no Pai e se mostrou a nós.] [1 João, 1, 1]

As primeira palavras deste versículo ensinam-nos o que devemos pensar de Jesus Cristo.

1. Mostram-nos que Ele é Deus, pois é a vida por essência. Com efeito, fora dito ao povo judeu acerca de Deus: "Amai o Senhor vosso Deus; obedecei a sua voz e apegai-vos a Ele; pois é Ele a vossa vida" (Deut. 30, 20). Ipse est enim vita tua. Era a Deus que dizia Davi: "Em vós, Senhor, está a fonte da vida; e só podemos ver a luz quando Vos apraz iluminar-nos." Apud te est fons vitae, & in lumine tuo videbimus lumen. (Sl. 35, 11). Só a Divindade pode fazer viver nossas almas, comunicando-nos a luz da verdade, o calor da caridade e a felicidade da eternidade. Só podemos ser santos ou felizes quando aprouver a Deus tornar-nos partícipes da sua santidade pela graça e de sua beatitude pela comunicação da sua glória. Adoremos Jesus Cristo como a fonte da vida. Apeguemo-nos a Ele, se não quisermos permanecer na morte.

2. O que deve inspirar-nos confiança, mostrando-nos qual é a misericórdia de Jesus Cristo Nosso Salvador e que bondade teve Ele por nós, é que a vida se tornou visível pela Encarnação. Et vita manifestata est. Sem este mistério, como poderíamos ser unidos à Divindade, uma vez que nos tornáramos completamente carnais e seus inimigos pelo pecado? Como poderíamos sustentar a vista dessa Majestade tão terrível, ante a qual tremem os Serafins, e dessa santidade ultrajada, que é para o homem criminoso um fogo devorador? (Hebr. 12, 29) "O homem não me poderá ver sem morrer" (Ex. 33,20), dizia o Senhor no velho Testamento; e sua voz já era o bastante, ainda que Ele se mostrasse sob símbolos estrangeiros, para abalar o céu e a terra; e os que O ouviram suplicaram que não lhes falasse mais. Diz o mesmo Moisés: Estou todo trêmulo e apavorado; tudo o que se via era terrível Que esperança restava ao homem, ele que não podia nem viver sem ver a Deus, nem ver ou ouvir a Deus sem morrer?  Nenhuma teríamos, se a vida não se tivesse feito visível para se adaptar à nossa fraqueza. O Verbo se fez carne: nele estava a vida, e essa vida era a luz dos homens. Aquele que estava desde toda a eternidade no seio do Pai se fez homem no seio de uma Virgem. Habitou entre nós, como um de nós. Nós o ouvimos, vimos, e Ele conquistou o nosso amor por favores perceptíveis. Confirmou com suas obras maravilhosas a verdade do que dizia, que "como o Pai ressuscita os mortos, também o Filho dá a vida a quem quiser. Na verdade, na verdade vos digo, aquele que ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não é condenado, mas já passou da morte para a vida." (Jo, 21, 24-25) E ainda: "Na verdade, na verdade vos digo, o tempo virá, e já veio, onde os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e aqueles que a ouvirem viverão: pois como o Pai tem a vida em Si mesmo, também deu ao Filho ter a vida em Si mesmo."

Ó vida soberana e essencial, vivificai completa e eternamente as nossas almas e os nossos corpos. Tornastes-Vos visível pelos mistérios de vossa Encarnação, de vossa vida mortal e de vossa Ressurreição. Tornai-Vos cada vez mais visível pelos efeitos de vossa graça, para que fique claro por marcas não equívocas que sois Vós que viveis em nós; e que vivendo de Vós, em Vós e para Vós, somos libertos da morte a que nos sujeitara o pecado. Amém.

(Abbé Nicolas Legros, Méditations sur les épistres catholiques de S. Jacques, S. Pierre et S. Jean, V (1a epístola de Sâo João); Paris, 1754, pp 9-12))

terça-feira, 20 de novembro de 2012

O argumento ontológico e a perfeição divina

Santo Anselmo de Cantuária

É revelador que só no Cristianismo, num mosteiro beneditino mais precisamente, se tenha descoberto o argumento ontológico. Nem judeus, nem gregos, nem muçulmanos o imaginaram. Uma vez concebido, ele se tornou peça central de toda a filosofia, tanto para os que o rejeitam como para os que o aceitam.

Porque só em Cristo a perfeição de Deus, fundamento da prova, se mostra tão palpável, tão presente, tão inegável.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Grandes compositores católicos: Théodore Dubois (1837-1924)

Grande organista, compositor e teórico musical, em quatro belas interpretações. A primeira, tradicional, no grande órgão Cavaillé-Coll - o Stradivarius dos órgãos - na igreja de Saint-Ouen, em Rouen,  França. A peça é a grande Toccata; o organista é Gerard Brooks. A segunda, é a paradisíaca peça In Paradisum, pelo software/ órgão virtual Hauptwerk, no outro extremo do horizonte interpretativo organístico de hoje.

A terceira peça é o Adagio do seu belíssimo Quinteto em fá para Piano, na excelente interpretação do Quarteto Ardeo, com David Violi ao piano.

A quarta é o monumental Agnus Dei da sua Missa de Libertação, cantado durante a celebração eucarística presidida pelo papa Bento XVI em sua viagem apostólica à Alemanha, em 2011.

Se é verdade que Dubois foi injusto com Ravel ao lhe recusar repetidas vezes o prêmio de Roma, não há dúvida de que o ostracismo em que caiu por causa disso durante quase um século constitui injustiça muito mais grave.








O contraponto divino


Num contraponto perfeito, a cada gesto da pessoa do Filho corresponde sempre ao mesmo tempo um ato de cada uma de suas naturezas: um de rebaixamento do homem e um de glorificação de Deus.

Cristo marcha para a Cruz como um exército rumo à cidadela a tomar: a Nova Criação, a Reunião de tudo sob Cristo, a vinda do Reino, a Vontade de Deus feita na terra e no Céu.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Pena de morte e crime organizado


O crime organizado é um exército em ação, hierarquizado, armado e fartamente financiado pelo tráfico de drogas e pela prostituição internacional. Por ordem de seus generais - muitos deles já presos -, são executadas diariamente dezenas de pessoas inocentes.

É em casos como este que a pena de morte se faz absolutamente necessária. Eliminar os chefes dessas organizações equivale a uma operação militar de pacificação, que pode salvar centenas de vidas inocentes em troca das vidas de uns poucos criminosos.

Permitir que esse exército continue a funcionar no seio da sociedade em nome dos valores supostamente "cristãos" e "humanitários" da proibição da pena de morte é, no mínimo, irresponsável, e muitas vezes criminoso.

Somos contrário à pena de morte em casos de crimes individuais, pela simples razão de que não é confiável o sistema jurídico e policial brasileiro. Condenar alguém exige a redução da margem de erro na investigação a quase zero, o que as atuais circunstâncias não permitem.

Mas em casos como os do comando do crime organizado, a margem de erro é nula, pois os chefes são notórios - pelo menos até certo grau hierárquico. Daí para cima, são outros quinhentos. Mas o princípio para eles também será o mesmo.






segunda-feira, 12 de novembro de 2012

domingo, 11 de novembro de 2012

A morte do ódio e a vida do Amor


A crucifixão de Cristo demonstra o ódio mortal do homem corrompido pela queda contra o Amor.
E, levando a morte às últimas consequências, abre espaço para a Vida, sem renunciar nem à Justiça de Deus nem à liberdade do homem.

sábado, 10 de novembro de 2012

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sobre a hermenêutica da continuidade


Se não quisermos entrar em malabarismos teológicos, temos de aceitar a teologia da continuidade proposta pelo Papa Bento XVI, que propõe a leitura dos textos conciliares à luz da Tradição.
Não há outra saída.
Por outro lado, cumpre também reconhecer que há hoje uma ruptura entre a prática de vastos setores da Igreja e essa mesma Tradição com que se busca reatar. É uma questão de fato.
Portanto, se quisermos recuperar a continuidade da Tradição, teremos de romper com essa ruptura pós-conciliar. Não há outra saída.
Querer defender a hermenêutica da continuidade em relação ao Concílio e ao pós-Concílio é lutar contra os fatos.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Prova empírica da divindade de Cristo


Esses adolescentes cristofóbicos que pululam na internet pedem provas empíricas da divindade de Cristo. Como se pudessem encurralar o Verbo divino para forçá-lo a confessar sua divindade.
Não veem que, se tal flagra fosse possível, aí sim seria de duvidar da doutrina da Encarnação.
Pois o Verbo só pela verbo quer ser conhecido, ou seja, pela Fé.

Amor e omnipotência


A marca da queda é a separação entre o poder e o amor, a que dará fim a volta de Cristo na Glória.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Vertigem Trinitária


"Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão..."

A obediência de Cristo à Vontade do Pai foi livre e mesmo dolorosa e difícil, como mostra a oração do Monte das Oliveiras.

O que implica, em princípio, a possibilidade de uma desobediência.

As implicações dessa hipótese vão muito além do saber teológico deste vosso servo, mas a mera sugestão dessa possível possibilidade lança uma luz ofuscante sobre a grandeza daquele momento.

Se pensarmos na magnitude das consequências do non serviam do anjo, o que dizer de uma inimaginável fratura no seio mesmo da Trindade?

Vemos aí a infinita infinitude da aceitação da Cruz pelo Verbo, em que estava em jogo muito mais que a simples salvação do homem.

Inaugurada nova casa de espetáculos do padre Marcelo Rossi


A nova casa de shows paulistana, que vem enriquecer
 as opções de entretenimento na Capital


São Paulo ganhou hoje mais uma casa de shows. Trata-se do "Santuário da Mãe de Deus", com capacidade para 100 mil espectadores. É o que notícia a revista católica Caras de hoje.

A inauguração contou com a presença, além do próprio padre Marcelo, do impagável Dom Fernando Figueiredo, aquele mesmo que diz ser "lei da Igreja" não recusar a comunhão a ninguém.

As principais atrações no divertido espetáculo eucarístico do padre Marcelo foram os cantores Agnaldo Rayol e Alexandre Pires, que apresentaram seus maiores sucessos ao público que lotava as dependências da casa de shows. Pura adrenalina!

Também tiveram presença de destaque o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab, grandes entusiastas e principais financiadores da parada gay na avenida Paulista.

Entre as presenças secundárias, talvez valha a pena mencionar Jesus Cristo, que fez uma ponta numa parte menos importante do show.

Por outro lado, dizem os energúmenos que esse tipo de show é importante para fazer frente ao crescimento das igrejas evangélicas.

Este blog, porém, não crê que transformar a Igreja Católica numa cópia piorada das igrejas evangélicas pentecostais seja a melhor tática para isso.

Reeleito primaz dos beneditos discípulo de Mick Jagger


Foi recentemente reeleito em Roma primaz dos beneditinos o monge alemão Dom Notker Wolf, de que já falamos neste blog.

Dom Wolf ficou conhecido da galera metaleira por ser o líder de uma bandinha de rock pesado, Feedback, em que toca guitarra. Trata-se de um gênero de rock de alta espiritualidade, em que se destacam outras bandas igualmente em busca da santidade, como Sepultura, Black Sabbath e Iron Maiden, entre outras.

Revela seu perfil na Wikipedia que Dom Wolf reconhece sua dívida com os Rolling Stones, um dos baluartes do satanismo em meio à cultura Pop. Como é notório, Micke Jagger e Cia. tiveram, se é que não continuam tendo, relações as mais estreitas com as altas instâncias do culto de Satã no mundo, na direta tradição do infame mago Aleister Crowley.

Como tradição é relação transitiva por excelência, podemos deduzir que o trabalho "missionário" de Dom Wolf é tributário dos principais discípulos do Baixíssimo neste vale de lágrimas.

Em nome da equidade, porém é preciso ressaltar que Dom Wolf tem realizado um grande trabalho de reforma nas instituições beneditinas, sobretudo na parte de alvenaria, como ressalta o site que noticia sua reeleição:

Sob sua liderança, foram feitas muitas reformas no prédio de Sant'Anselmo, além de estar levando adiante reformas e melhorias com tijolos e cimento.

Dom Wolf confessa que viu a eleição de Bento XVI com desconfiança, tendo sido muito ligado ao Papa anterior, que o nomeou.

Além de sua atividade pastoral como discípulo de Mick Jagger, Dom Wolf também é bastante ativo na área do catolicismo ecológico.

É esse o primaz mundial dos beneditinos, reeleito por mais 4 anos.
Depois vão dizer que não sabem a origem do lamaçal moral que invadiu boa parte da Igreja.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.