Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Pontifícia Academia das Ciências do Vaticano nomeia um maçom brasileiro


O Vaticano nomeou esses dias um físico maçom da USP para a Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano, como noticia o site do Grande Oriente do Brasil..

Como todas as organizações educacionais e culturais pontifícias que conheço, a Academia das Ciências do Vaticano não tem mais absolutamente nenhum vínculo com a doutrina católica, a não ser a palavra "Pontifícia" no nome e o fato de ter sede no Vaticano.

Gostaria de saber que interesse podem ter os cardeais responsáveis em manter um organismo como esse, que só serve para disseminar as porcarias intelectuais anticristãs fabricadas em massa pela máquina naturalista acadêmica. Pregar o Evangelho certamente não é.

Em vez de se valer de um espaço privilegiado como a Academia para promover o aprofundamento da doutrina em suas implicações naturais, o Vaticano serve de retransmissor para a mesma mensagem anticristã repetida ad nauseam de maneira idêntica pela academia profana e maçônica em todo o mundo.

Mais um gol de placa dos avacalhadores na luta contra o Cristo. E, como se pode notar, o lixo continua se amontoando no Vaticano.

Pobre Bento XVI. Peço a todos que lerem este post uma Ave Maria por ele.

domingo, 28 de outubro de 2012

Depoimento indignado contra o Concílio Vaticano



"Que força de alma lhes foi necessária, durante sete meses, para jamais se cansarem de tudo sofrer, de tudo tentar, sem conseguirem afastar o escândalo! Um regulamento imposto contra os direitos mais evidentes do Concílio, comissões escolhidas previamente, votos ilusórios, uma tutela opressiva, discussões sem ordem e sem objetivo, modificações nos regulamentos tão arbitrárias como múltiplas, tudo padeceram, esperando, por uma longa paciência, fazer um dia serem aceitos seus argumentos. Não lhes foram poupadas as calúnias públicas, e no entanto suas vozes não se ergueram, ruidosas e indignadas, nessa mesma assembleia em que os chamavam de heréticos e cortesãos. Seus oradores tiveram, mais de uma vez, deixar a tribuna sem poderem sequer explicar seu pensamento, e muito menos explicar suas ideias, menos ainda defender suas convicções, enquanto a maioria conservava sempre o direito de multiplicar impunemente os exageros ultrajantes e as alusões culpadas. Desde o começo, julgaram ter o dever de tomar as razões da minoria por injúrias e lhe devolver injúrias pelas razões. Até seus protestos, tão dignos, tão humildes e no entanto tão legítimos, contra esses abusos, não ficaram só sem efeito, mas também sem resposta.

E enquanto no seio do Concílio a ilegalidade esmagava essas almas generosas, enquanto lhes negavam abertamente o direito de repetir a toda pretensão despótica: non licet, e a toda solicitação imprudente: non possumus, de fora um partido terrível levantava contra elas o clero de segunda ordem e amotinava as dioceses. O próprio Papa, ninguém o ignora, dava publicamente a mão a essa revolução tão estranha e tão inesperada na Igreja. Ele multiplicava, contra todas as regras da hierarquia católica, os encorajamentos mais lisonjeiros (...). Concedia em nome do Evangelho o que a Igreja de sempre, em nome desse mesmo Evangelho, recusara a todos que não tinham a plenitude do sacerdócio, a missão de testemunhar entre os bispos e contra eles, o direito de intervir, com autoridade, na solução das questões dogmáticas mais difíceis.

Num século menos agitado que o nosso, e numa sociedade cristã menos perturbada, há muito teriam feito justiça contra tal intrusão, impondo pela força o silêncio aos inferiores e chamando ao direito e ao dever os superiores."

(in La dernière heure du Concile, pp 4 e 5.) [trad. Yours Truly]

Em tempo: o Concílio em questão é o Vaticano I, não o Vaticano II.
O panfleto foi editado anonimamente em 1870, em Paris.
Curiosidade histórica.

sábado, 27 de outubro de 2012

O Iluminismo e os sujeitos ocultos


Critica o iluminismo por relativa toda busca do absoluto, mas se esquece de se incluir na mesma crítica: "tudo é relativo" é contradição nos termos.

Não por acaso o sujeito histórico desse discurso também sempre optou pela sombra: é fundamento da maçonaria o ocultar-se.

O  mesmo se diga da sua máxima expressão filosófica, a filosofia crítica de Kant, que jamais revela como juízos sintéticos a priori possam criticar juízos sintéticos a priori: eis o sujeito transcendental oculto.

Daí também a deriva iluminista para o mais primitivo ocultismo.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Lourdes sofre inundações no dia da chegada de relíquias de João Paulo II


A gruta de Lourdes sob as águas

No dia 21 de outubro, marcado para a chegada de algumas relíquias do papa João Paulo II a Lourdes, na França, a cidade  foi varrida por uma gigantesca enchente, que só deixou de pé a igreja principal, construída numa elevação. O espaço diante da gruta das aparições da Virgem ficou inundado e o altar foi submerso pelas águas. Com a elevação do rio em 3 metros, os peregrinos de duas áreas de camping tiveram de ser evacuados, e milhares de casas da cidade ficaram sem energia elétrica. Trata-se da pior catástrofe a atingir a cidade em décadas. Ler a reportagem no site do jornal católico americano The Remnant.

Que coincidência estranha!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Há uma lei da Igreja que proíbe recusar a comunhão, diz bispo

O bispo expõe o Santíssimo a Fernando Haddad, autor do kit gay .
 Haddad comungou e até foi o leitor da Epístola da Missa.

Em entrevista à Folha de São Paulo, o mirabolante Dom Fernando Figueiredo, famoso por concelebrar com o pe. Marcelo Rossi as divertidas missas do Terço Bizantino, brindou-nos com a seguinte pérola, para pasmo do Universo: 

"Às vezes recebo críticas: 'Você recebeu Fulano, ele nem é católico e o senhor o deixou comungar'. Há uma lei na igreja que, se a pessoa se aproxima para a comunhão, você não pode negá-la."


Embora tenha em alta conta a sabedoria do energúmeno prelado, creio que desta vez ele andou trocando as bolas. Não existe uma "lei da Igreja" que proíba negar a comunhão a quem se aproxime da hóstia. O que existe é uma lei maçônica que procura proibir os católicos de se aproximarem deste sacramento, pelo menos em sua forma tradicional e com as disposições mencionadas por São Paulo na Primeira Epístola aos Coríntios. 


É diferente!

Mas é compreensível a confusão. O contato quase diário com seu patrão rotariano na Rede Vida deve ter feito que ele confundisse essas duas instituições irmãs e quase indistinguíveis, a maçonaria e a igreja da Grande Avacalhação pós-conciliar, de que Dom Fernando é um dos luminares em nossas terras. 

domingo, 21 de outubro de 2012

Péssimas notícias de Roma


Segundo entrevista do prefeito da Congregação da Doutrina da Fé, Dom Müller, já apresentado neste blog, as conversações entre Roma e os lefebvristas estariam encerradas, sem possibilidade de acordo.

Não se trata ainda de notícia oficial. Portanto, aguardemos. Mas se se confirmar, será o mais grave desastre para a Fé desde a excomunhão de Dom Lefebvre.

Convém lembrar que a ruptura com a Tradição é a ruptura com Cristo. O cuidado com a Tradição é o que garante a transmissão sem ruído do Verbo de Deus.

Ao romper com o Tradicionalismo, a quem vai Roma confiar a defesa  dessa transmissão? Aos neopentecostalistas pró-católicos da RCC? À defunta Teologia da Libertação? Aos grupos pró casamentos gay, abortistas e feministas soi-disant católicos? Aos farsantes de Medjugorje?

No atual estado da Igreja, seria bom que nesse Sínodo sobre a Fé reunido em Roma,  os bispos  tivessem oportunidade de refletir sobre  a extrema gravidade de uma decisão como essa.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

História da decadência da Igreja na França: os 3 ralliements de Philippe Prevost



Bela entrevista com o historiador francês Philippe Prevost, a respeito do seu livro L'Église et le ralliement.
Trata-se de uma análise sóbria do caminho que levou à crise sem precedentes de hoje: da política de aliança entre católicos e maçons preconizada por Leão XIII - que esperava com isso "converter" a república maçônica - à apoteose da adesão católica aos poderes deste mundo no Concílio Vaticano II, passando pela proibição da Action Française por Pio XI, em nome dessa mesma adesão. São esses os 3 "ralliements" (adesões, alianças) da Igreja francesa.
Em francês. O entrevistador é o jornalista católico Franck Abed.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

O PT, o aborto e o voto cristão


Sem querer entrar nos meandros asquerosos da política brasileira, gostaria só de lembrar aos que não o sabem que o PT é um partido que não aceita em suas fileiras ninguém que seja contrário ao aborto. Ou seja, quem é contra o aborto é expulso sumariamente do partido.

Basta isso para fazer com que o voto no PT seja pecado gravíssimo, pois equivale a cumplicidade em assassínio em massa de crianças.

Para dar apoio político "católico" ao PT, só mesmo monstruosidades como um tal de Chalita, coautor de um livro com um vertiginoso padre que usa botox. Eis a que ponto chegamos.

Além disso, vale lembrar que Haddad, o candidato do partido abortista à prefeitura de São Paulo, foi também o criador do famigerado kit gay, em que se pretendia impingir o homossexualismo às nossas crianças.

Não quero dizer com isso que os demais partidos deixem de ser horrorosos, também. Basta lembrar que a revista Veja, porta-voz de tudo o que há de podre no país, apoia José Serra.

Mas quem sabe se mais uma derrota nas urnas faça os dirigentes petistas perceberem que o crime não compensa e, com isso, revoguem a criminosa norma do partido contra as crianças inocentes, digna de Herodes.

PS de 23/10/2014; as considerações acima, ainda válidas no que se refere ao caráter contraditório do voto cristão ou católico no PT, não devem ser entendidas como um convite a se votar no lúgubre Aécio Neves, pet do Império, candidato de tudo o que há de mais sórdido neste país. Na verdade, se não fosse a cláusula herodiana nos estatutos do PT, este blog recomendaria o voto em Dilma, que pelo menos deu mostras de certa independência na política externa. Mas, como isso não é possível, dado o caráter intrinsecamente pecaminoso do voto no PT, sugerimos o voto nulo.

domingo, 14 de outubro de 2012

O sentido da Cruz


Com a crucifixão, Satã consegue executar seus planos, e no entanto faz exatamente o que Jesus queria.

As duas linhas se cruzam na Cruz

Ante o Verbo, o que está em jogo não é o que acontece, mas o sentido do que acontece.


Note-se que o mesmo ocorre hoje, quando os inimigos da Fé parecem obter brilhante vitória contra a Igreja, que porém caminha a passos largos para a Glória. O conflito das interpretações prossegue.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A Terra e o Calvário


Seja qual for o mérito científico do trabalho apologético mais do que meritório de Robert Sungenis acerca de Galileu e Einstein, é certo que o geocentrismo é o estado normal da doutrina católica.
Mas ainda mais certo e mais fundamental é o caráter secundário do sensível na mesma doutrina: eis a lição do Santíssimo Sacramento.
A terra que está no centro é aquela onde se fincou a Cruz do Gólgota e onde se apoia o altar da Eucaristia: a meio caminho entre o tempo e a eternidade.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

50 anos do Concílio Vaticano II e a Epístola da Missa


Hoje, solenidade dos 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II, a Epístola da Missa, Gálatas 2, lembra a repreensão de Pedro por Paulo, com a acusação de, por medo, diluir a mensagem de Cristo:
11. Quando Pedro foi a Antioquia, enfrentei-o em público, porque ele estava claramente errado.12.De fato, antes de chegarem algumas pessoas da parte de Tiago, ele comia com os pagãos; mas, depois que chegaram, Pedro começou a evitar os pagãos e já não se misturava com eles, pois tinha medo dos circuncidados.

Ataque de abortistas lobotomizadas contra Catedral na Argentina



Centenas de jovens argentinas lobotomizadas e bestializadas pela grande mídia mundial atacam a catedral de Posadas, na Argentina, xingando, agredindo, lançando tinta spray e cuspindo num grupo de católicos que defendem pacificamente a catedral enquanto rezam o terço.

Frutos de décadas de lavagem cerebral dos jovens do mundo inteiro, via rock, drogas, satanismo e feminismo, as debilóides defendem com unhas e dentes a liberdade de praticar seu esporte predileto, a caça às criancinhas ainda dentro do útero das mães. Pelo jeitão de algumas delas, há ali verdadeiras craques na modalidade.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Ex-obreira fala dos planos da Igreja Universal para tomar o poder no Brasil



Tadinha. É comovente ver como a dignidade espiritual pode sobreviver a 9 anos de política de terra arrasada.

Viver e sofrer

Jean de Bernières-Louvigny (1602-1659) 
Grande místico normando
(foto Stifts - och landsbiblioteket i Skara)

Vivamos pouco, desde que muito soframos: é o  que basta. Mas é grande miséria viver muito e sofrer pouco.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O que diz o Concílio Vaticano II, afinal?



Os promotores da Grande Avacalhação pós-conciliar têm sempre na boca o Concílio Vaticano II como último bastião na defesa de suas heresias, como se se tratasse de um recomeço absoluto na história da Igreja, um retorno à estaca zero e a abolição de tudo o que o sangue dos mártires  e a oração dos santos defendeu nos últimos 20 séculos.

Mas será que é bem assim?

É o que pergunta um texto do site francês Notre-Dame des Neiges, que temos o prazer de traduzir e publicar neste blog.

São boas perguntas:


Releiamos objetivamente as decisões do Concílio. Onde está escrito que a Igreja deva tornar-se uma "democracia popular" em que cada comunidade local possa, à sua conveniência, segundo a época ou humor das sondagens, decidir em matéria de fé, de moral, de doutrina, de liturgia ou de disciplina eclesial? Onde está escrito que a confissão individual deva ser substituída pela absolvição coletiva? Onde está escrito que agora seja preciso aceitar o sacerdócio ministerial das mulheres e o casamento dos padres? Onde está escrito que a prática dominical (santificação do dia do Senhor) não seja mais uma grave obrigação sob pena de pecado mortal (CIC N°2181)? Onde está escrito que os divorciados em segundas núpcias, o concubinato, o aborto, a contracepção, as relações sexuais antes do casamento etc... sejam hoje "valores novos" e não mais pecados de que se deva sair ou evitar? Onde está escrito que a ideologia peçonhenta do relativismo deva agora ser o fundamento do ensino da Igreja Católica? Onde está escrito que o Soberano Pontífice não seja mais infalível em matéria de doutrina, de moral e de fé? Onde está escrito que seja preciso – como o fazem atualmente os modernistas - reinterpretar e "desmitologizar" a Bíblia para torna-la aceitável ao mundo moderno? Onde está escrito que as Santas Escrituras não sejam mais inspiradas por Deus? Onde esá escrito que o Diabo, o Purgatório e o Inferno não mais existam... e que "vamos todos para o Paraíso" (dixit Polnareff)? Onde está escrito que o dogma do Pecado Original, por monogenismo histórico (e suas consequências dramáticas sobre o homem e a criação), não mais se sustente? Onde está escrito que a Santa Missa seja antes uma refeição entre amigos do que o único, verdadeiro e definitivo Yom Kippur pela oferenda perpétua incruenta ao Pai do Santo Sacrifício expiatório, impetratório, satisfatório, propiciatório, eucarístico e latrêutico do Cordeiro imolado sobre o Calvário? Onde está escrito que Jesus Cristo, verdadeiro e eterno Sumo Sacerdote segundo a ordem do Rei Melquisedeque, não seja mais o Único Salvador e o Único Mediador da humanidade? Onde está escrito que o dogma da Santíssima Transubstanciação não mais exista? Onde está escrito que o Santo Sacrifício da Missa deva ser considerado um mero "memorial", no sentido protestante do termo? Onde está escrito que agora se deva denegrir e até abolir os impulsos de piedade popular, como as procissões, as adorações, as novenas, o terço? Onde está escrito que a Lei Moral Natural, Imutável e Universal, não mais exista? Onde está escrito que a existência de  jnosso Anjo da Guarda não passe agora de uma "historinha infantil"? Onde está escrito que o dogma da Comunhão dos Santos (Ecclesia Triumphans) já não seja uma verdade de fé? Onde está escrito que os pecados mortais, as penas temporais, como também as indulgências da Igreja sejam velhas "bobagens vaticanas"? Onde está escrito que já não haja uma relação fundamental entre a Fé e a Razão? Onde está escrito que a apocatástase, o aniquilacionismo, o indiferentismo, o quietismo e também o latitudinarismo não mais sejam doutrinas firmemente condenadas pela Igreja?
 Onde está escrito que os Milagres, a Transfiguração, a Morte, a Ressurreição e a Ascensão de Nosso Senhor já não sejam fatos histórica e realmente constatados pelos Apóstolos? Onde está escrito que o Credo de nossa Fé Católica esteja hoje "ultrapassado" pelas últimas invenções das equipes de animação pastoral locais? Onde está escrito que a Pessoa Divina do Filho não seja mais o Unigênito do Pai (unigenitus) e, portanto, uma Pessoa eternamente incriada (increatus)? Onde está escrito também que Ela não seja mais consubstantialis, coequalis, coadoratur, conglorificatur e coaeternus ao Pai e ao Espírito? Onde está escrito que Jesus Cristo, o Logos-Deus-Verbo encarnado na história, já não seja uma Pessoa exclusivamente Divina, a Segunda da Santíssima e Adorável Trindade, Único Verdadeiro Deus perfectus, plenus e totus, e único ipsum Esse subsistens? Onde está escrito que essa mesma e Única Pessoa Divina não se tenha mais encarnado histórica e voluntariamente para a nossa salvação em duas naturezas unidas hipostaticamente, com suas propriedades (idioma) naturais, permanecendo infinitamente diferentes, sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação... e com toda evidência dotada de uma alma racional (anima), de uma inteligência (intellectus), de um espírito (sensus), de um corpo (corpus) e de uma carne humana (caro), com exceção do menor pecado (em estado ou em ato), no corpo virginal de Sua Santíssima Mãe (Theotokos), a Imaculada Conceição? Onde está escrito que Maria não seja mais perpetuamente virgem? Onde está escrito que o ato de Sua Santa e Virginal Maternidade não tenha ocorrido de maneira exclusivamente divina e indolor? Onde está escrito que a Substância Divina do Filho, eternamente gerada pelo Pai, já não seja mais impassível  (impassibilis), imutável (immutabilis) e imortal (immortalis)? Onde está escrito que a Pessoa Divina do Filho que se encarnou na história não seja mais dotada de duas vontades e operações naturais, submetendo-se sempre a vontade e a operação humana à Vontade e Operação Divina? Onde está escrito que as Conferências episcopais tenham agora direito a qualquer "autoridade doutrinal" para relativizar ou galicanizar as diretrizes romanas? Onde está escrito que a consciência individual deva hoje sempre "primar" sobre o ensino oficial da Igreja? Onde está escrito que essa mesma consciência se tenha tornado uma instância "autônoma" ou mesmo criadora de "valores"? Onde está escrito que a liberdade religiosa autenticamente interpretada seja hoje sinônimo de "relativismo" ou de uma incapacidade do homem moderno de encontrar a salvação na Verdade de Cristo exclusivamente encarnado em Sua Igreja? Onde está escrito que a evangelização dos não católicos já não seja uma obrigação urgente (cf. 1 Cor 9, 16) para a salvação eterna deles... pois fora da igreja não há salvação? Onde está escrito que a Única Igreja de Cristo, a Esposa Imaculada do Senhor, não subsista mais em si (subsistit in) como único sujeito na única Santa Igreja católica, Mãe e Mestra de todas as Igrejas? Onde está escrito que esta última já não conserve - completa e eternamente – a essência inviolada do depósito da fé (depositum fidei) para a salvação das almas? Onde está escrito que ela já não seja por natureza exclusivamente missionária? Onde está escrito que ela também já não seja - por substituição - o Novo Israel, a Nova Jerusalém, o Novo Povo bem-amado de Deus? Onde está escrito que os Juízos Particular (em nossa morte) e Geral (no fim do mundo) não mais acontecerão? Onde está escrito que a Ressurreição de nossa carne atual (para o Inferno ou o Paraíso) já não acontecerá? Onde está escrito que os homens não mais prestarão contas de seus atos via Retribuição Divina, logo depois da morte? Onde está escrito que a batina esteja hoje proibida? Onde está escrito que a Missa em latim, o canto gregoriano, a beleza, a dignidade, mas também a orientação teocêntrica (versus Deum per Iesum Christum) e escatológica devam ser proscritos ou pelo menos energicamente desaconselhados? Onde está escrito que se devam suprimir os corais gregorianos (SC N°116) e populares (SC N°118) sob pretexto de "participação ativa"? Onde está escrito que a comunhão dos fiéis de joelhos e na boca não deva mais ser favorecida? Onde está escrito que seja preciso liquidar os genuflexórios, os bancos de comunhão, os confessionários, as velas, os crucifixos, o incenso, as casulas, a sobrepeliz e as estátuas nas igrejas... como aconteceu durante a terrível crise iconoclasta da década de 1970?
 Onde está escrito que o Vaticano II seja para a Igreja "um novo começo" que tenha sistematicamente abolido todas as decisões dos muitos concílios que o precederam? Onde está escrito que o Vaticano II deva ser aplicado (com a  restauração litúrgica que o acompanha) segundo uma hermenêutica de ruptura?

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

O Verbo, questão de princípio


Contra a máfia que controla o dinheiro e o poder, transforma o povo em massa para manipulá-lo e promove a sodomia e a corrupção generalizada, a Igreja só pode oferecer uma oposição de princípio. Mas, convenhamos, um Senhor princípio:
n rc n Lógoς...