Pesquisar este blog

sábado, 12 de maio de 2012

Importante! FSSPX: Carta de Dom Fellay em favor de Bento XVI

Dom Bernard Fellay, superior-geral da FSSXP

Vazou na internet a carta escrita por Dom Bernard Fellay  aos outros três bispos da FSSPX acerca do processo de plena comunhão da gloriosa fraternidade com Sua Santidade o Papa Bento XVI. Trata-se de resposta a uma carta anterior dos três bispos, que pedia esclarecimentos acerca do processo de reaproximação. Nela, os três signatários, os bispos Tissier de Mallerais, Williamson e de Galarreta,  afirmavam "unanimamente sua formal oposição a qualquer acordo semelhante". Ambas as cartas podem ser lidas aqui, no original francês.

Em sua carta, os bispos repetem mais uma vez a conhecida argumentação da ala mais radical da Fraternidade, acerca da continuidade dos erros modernistas sob o pontificado de Bento XVI, da extrema gravidade das heresias conciliares  e o risco de "apodrecimento" da Fraternidade caso ceda a um acordo com o Vigário de Cristo e Sucessor de Pedro.

A resposta de Dom Fellay, superior geral da Fraternidade, é clara. Reafirma o diagnóstico - compartilhado por todos os católicos dignos do nome - do estado catastrófico a que levaram as reformas pós-conciliares. Mas nota que a rejeição radical de um acordo por parte dos demais bispos peca por falta de senso do sobrenatural e por falta de realismo. Por falta de senso do sobrenatural:

"Ela [a carta dos bispos] carece [do senso] do sobrenatural. Lendo Vocês, perguntamo-nos seriamente se Vocês ainda creem que esta Igreja visível cuja sede está em Roma é mesmo a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, Igreja por certo desfigurada horrivelmente a planta pedis usque as verticem capitis [da planta dos pés à ponta da cabeça], mas uma Igreja que mesmo assim ainda tem como chefe Nosso Senhor Jesus Cristo. Temos a impressão de que Vocês estão tão escandalizados que não aceitam mais que isso ainda possa ser verdade. Para Vocês, é Bento XVI ainda o Papa legítimo? Em caso afirmativo, pode Jesus Cristo ainda falar por sua boca? Se o papa exprime uma vontade legítima a nosso respeito, que é boa, que não dá nenhuma ordem contrária aos mandamentos de Deus, temos o direito de desdenhá-la, de despedir com um gesto de mão essa vontade? E senão, em que princípio Vocês se baseiam para agir assim? Não creem que, se Nosso Senhor nos comanda, Ele também proverá os meios de continuar a nossa obra? Ora, o papa comunicou-nos que a preocupação de resolver o nosso caso para o bem da Igreja estava no centro mesmo de seu pontificado, e que sabia muito bem que seria mais fácil para ele e para nós deixar a situação presente no estado em que se encontra. A vontade por ele manifestada é, pois, firme e justa.

"Com a atitude que Vocês preconizam, não há mais lugar para os Gideãos nem para os Davis, nem para os que contam com o auxílio do Senhor. Vocês nos acusam de ser ingênuo e de ter medo, mas é a visão que Vocês têm da Igreja que é demasiado humana e até mesmo fatalista; veem os perigos, os complôs, as dificuldades, não veem a assistência da Graça e do Espírito Santo. Se quisermos aceitar que a divina Providência conduz os negócios dos homens, embora deixando-lhes a sua liberdade, é preciso também aceitar que os gestos destes últimos anos em nosso favor estão sob o seu governo. Ora, eles indicam uma linha - nem toda ela reta - mas claramente em favor da Tradição. Por que ela subitamente se deteria, quando tudo fazemos para conservar a nossa fidelidade e acompanhamos nossos esforços com uma oração incomum? Abandonar-nos-ia o bom Deus no momento mais crucial? Isso não tem sentido. Sobretudo não tentemos impor-Lhe alguma vontade própria, mas tentemos apreender através dos acontecimentos o que Deus quer, estando dispostos a tudo, como Lhe agradar."

Em seguida, a falta de realismo:

"Ao mesmo tempo, ela carece de realismo, já quanto à intensidade dos erros, já quanto a sua amplitude.

"Intensidade: na Fraternidade, estamos transformando os erros do Concílio em super-heresias, como se fosse o mal absoluto, pior do que tudo, assim como os liberais dogmatizaram esse concílio pastoral. Os males já são suficientemente dramáticos para que não os exageremos ainda mais [...]. Não se faz mais nenhuma distinção. Enquanto o Monsenhor Lefebvre fez várias vezes as distinções necessária acerca do liberal. Tal falta de distinção leva um ou outro de Vocês a um endurecimento "absoluto". Isso é grave, pois essa caricatura já não faz parte da realidade e levará logicamente no futuro a um verdadeiro cisma. E talvez este argumento seja o que mais me leve a não tardar mais a resposta às instâncias romanas.

"Amplitude: por um lado, imputamos às autoridades presentes todos os erros e todos os males que se encontram na Igreja, deixando de lado o fato de que eles tentam pelo menos em parte livrar-se dos mais graves deles (a condenação da "hermenêutica da ruptura" denuncia erros bem reais). Por outro lado, pretende-se que TODOS estão arraigados nessa pertinácia ("todos modernistas", "todos podres"). Ora, isso é manifestamente falso. Uma grande maioria continua sendo levada pelo movimento, mas nem todos."

A carta prossegue no mesmo tom, considerando a proposta de uma prelazia pessoal etc. Em breve publicaremos uma tradução completa desse importantíssimo documento.

Este Vosso servo não pode deixar de exprimir seu imenso júbilo por encontrar nas palavras de Dom Fellay as mesmíssimas ideias que têm sido defendidas neste blog, só que mais elegante e claramente exprimidas. O que me faz ter confiança em que logo a separação entre os gloriosos guerreiros da Fé da FSSXP e a Igreja de Roma, governada pelo Sucessor de Pedro, o Papa Bento XVI, chegará ao fim, sanando essa chaga horrenda sobre o corpo místico de Cristo, para maior Glória de Deus.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

2 comentários:

  1. Celebramos hoje, 13 de maio, a festividade de Nossa Senhora de Fátima. Embora alguns "católicos" não reconheçam as aparições, a Santa Igreja sempre tratou com reverência a mensagem de Fátima. Sobre tudo os "tradicionalistas radicais", os quais nunca deixaram o Santo Rosário, a Devoção dos 5 Primeiros Sábados, a Modéstia no trajar, o combate ao modernismo enfraquecer no tempo. As visões particulares da Beata Jacinta( embora não sendo depósito de Fé) são bem atuais e esclarecedoras para a crise que se instalou na Igreja. Peçamos a Santíssima Sempre Virgem Maria, que "não ofendamos mais a Deus, que já está muito ofendio. E que a reza do Terço,nos alcance a paz do mundo e a salvação das almas. E que seu Imaculado Coração, seja o caminho seguro que nos conduzirá a Deus.

    ResponderExcluir
  2. O clemens, o pia, o dulcis semper Virgo Maria!

    ResponderExcluir