Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Liberação do aborto ou financiamento do aborto com dinheiro do povo?



A presidenta Dilma acaba de nomear para o Ministério dos assuntos sexuais uma líder pró-aborto, grande entusiasta da caça aos bebês, já com longa trajetória na defesa do massacre livre e geral de todo feto humano.

Desde o estabelecimento pelo Império do Mal da livre prática do aborto no mundo inteiro, já foram sacrificadas ao deus do Cu mais de 2 BILHÕES de crianças. Trata-se da maior hecatombe da história da humanidade, crime tão monstruoso que clama aos céus e certamente não ficará impune.

Cumpre notar que os maníacos pelo livre assassinato dos bebês não defendem a liberação do aborto, o que seria chover no molhado.  Liberado o aborto já está de fato há décadas. Nunca ouvi falar em ninguém que tenha sido preso por prática do aborto. No máximo vai tomar um café na delegacia e sai rapidinho.

O que está em jogo é o financiamento público do aborto. Esta é a questão. O problema é que o Império do Mal e seus legisladores lacaios querem que VOCÊ pague pelo aborto das adolescentes e peruas.

Claro. Nada mais estraga-prazeres do que ter que pagar a conta pelo prazer de matar o próprio filho. Isso corta totalmente o barato das jovens mães. Não tem nada a ver.

Quem tem de pagar a conta é VOCÊ AÍ mesmo. Assim como vai pagar as próteses de silicone e as operações de troca de sexo de todos os adoradores e adoradoras do Cu. Sem direito a reclamar. Se reclamar é cana por homofobia, meu amigo. Não é mole, não.

Juntamente com o direito ao prazer anal amplo, geral e irrestrito, o direito de matar bebês - dentro e FORA do útero, como provou a absolvição recente da garota canadense que matou o próprio filho recém-nascido - é para o Império do Mal o mais fundamental dos direitos humanos.

Oremos pela alma dessa gente, que vai ter maus momentos quando frente à frente com o Verbo tiver de responder pelo massacre de bilhões de crianças. Haja pedra de moinho.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.




Nenhum comentário:

Postar um comentário