Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Sola Scriptura e 1 Cor 4,6


Citar 1 Coríntios 4,6 em favor da doutrina da Sola Scriptura leva a uma contradição imediata e incontornável. Pois se Paulo estivesse referindo-se àquela doutrina naquele momento, estaria ipso facto se contradizendo, pois acabava de enunciar algo que ainda não fora escrito!
Entre otras cositas más, como a impossibilidade de falar do Brasil, beber coca-cola, vestir jeans, dirigir automóvel, falar português e usar computador, todas elas coisas que não aparecem na Bíblia

São Damião de Molokai e o sacrifício de Cristo



São Damião de Molokai (1840-1889) foi um padre belga que se dedicou ao cuidado dos leprosos na ilha de Molokai, no Havaí. Em sua total entrega aos doentes, ele acabou contraindo a enfermidade.
Quando chegou a Molokai, os 800 doentes se amontoavam no total abandono, sem água, remédios, nada. O padre Damien de Veuster, seu nome religioso, era a única pessoa a cuidar deles. Sua caridade era tamanha, que os mesmos protestantes do lugar o tinham como um grande santo.

Podemos encontrar o segredo de sua caridade em sua cadernetinha pessoal:

"A visão do que as almas custaram a Jesus Cristo, bem como a recordação do que nossas próprias almas lhe custaram, deve inspirar-nos o máximo zelo pela salvação de todos. Devemos entregar-nos a tudo o que pode ajudar na salvação das almas. Devemos entregar-nos a todos, sem exceção. Devemos entregar-nos sem reservas. A medida de nosso zelo deve ser a de Jesus Cristo".

São Damião de Molokai foi canonizado por Bento XVI em 2009.

São Damião de Molokai, rogai por nós.

Fragmentação do saber, universidade e barbárie

Trinity College, Cambridge, UK.

Um dos grandes culpados da atual miséria espiritual é o sistema universitário, com sua infinita fragmentação do saber. Se é que se pode falar ainda em saber. Pois se trata de um saber sem sujeito, o que é uma contradição nos termos. Ou seja, não há ninguém que saiba, e se não há ninguém que saiba não há saber.
Num grupo em que cada um só conhece uma palavra, ninguém conhece a frase, e só as frases têm sentido. Se é que há frase, pois ninguém a lê. E se existir, é provável que esteja sendo terrivelmente distorcida, justamente por ninguém a ler. Sem falar nas possibilidades de distorção proposital  ou manipulação que essa fragmentação permite.

domingo, 29 de janeiro de 2012

A infinidade dos universos descarta o ateísmo



Cientistas ateus recorreram a um curioso expediente para tentar fugir às consequências da sintonia fina do universo, tão funestas para suas convicções. Multiplicaram ao infinito o número de universos existentes. Esperavam com isso evitar a volta triunfal do argumento a posteriori, biblicamente estabelecido por Paulo.
Mas o tiro sai pela culatra, como veremos. E a primeira vítima é o ateísmo.

Num mundo de infinitos universos, todo possível se torna real.
Ou seja, num mundo de infinitos universos, o argumento ontológico vale: basta que a ideia de Deus não seja autocontraditória - o que Leibniz provou não ser - para que Deus exista.

Tentando fugir do argumento a posteriori, os incautos cientistas acabaram caindo no caldeirão do argumento a priori.

Além disso, já a primeira ideia era, além de intelectualmente desonesta, bem burrinha. Pois para evitar que as maravilhas do Universo apontassem para um Criador inteligente, os cientistas ateus resolveram multiplicar por infinito essas mesmas maravilhas. O que não poderia deixar de ser para maior Glória de Deus: em vez de criador de uma só maravilha, passou a ser o criador de infinitas maravilhas.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Ex-agente da CIA revela tudo sobre 11 de setembro. Imperdível.

Numa série de vídeos espantosos, Susan Lindauer, ex-agente da CIA, revela os bastidores do 11 de setembro e como os Estados Unidos tinham total ciência do que iria acontecer. A americana de 49 anos esteve presa durante um ano numa base militar, sem direito a nada, com acusações secretas, júri secreto, testemunhas secretas, tudo sob os auspícios do infame Patriot Act, que destruiu o que ainda restava de democracia e liberdade nos EUA para proteger a máfia no comando. Por fim, Susan seria solta, com a justificação de ser "mentalmente incapaz". Acusação no pior estilo staliniano, que é reduzida pó quando a ouvimos falar durante dois minutos.

Por ocasião do décimo aniversário do ataque às torres gêmeas, Susan rompeu o silêncio e contou tudo. E ela sabia muito, pois na época era nada menos do que a agente da CIA encarregada do contato com os governos do Iraque e da Líbia; ninguém melhor do que ela para mostrar as correlações entre o 11 de setembro e a determinação americana de destruir o Iraque. É um depoimento estarrecedor, muito lúcido e convincente, que vocês jamais verão, é claro, nem na Globo nem na Record nem na CNN nem na Fox nem em nenhum dos meios de desinformação de massa que há por aí. Aliás, o fato de um depoimento dessa qualidade ter passado praticamente despercebido do grande público do mundo inteiro é um sintoma claro de quão manipulada e censurada é a informação distribuída pela "grande" imprensa, que de grande só tem a desonestidade, a mentira e a covardia.

Num ambiente tão bagunçado como o das teorias sobre 11/9 na Internet, onde lucidez, coragem e desinformação se embaraçam a todo momento, o depoimento de Susan Lindauer se sobressai pela clareza e firmeza. Ou estou muito enganado, ou essa mulher está falando a verdade.

Aqui vão dois vídeos de suas conferências. O primeiro em inglês mas com legendas em francês, para quem se sente mais "confortável" (como diria o bispo Macedo) com esta última língua; o vídeo é o primeiro de uma série de 6. Os demais podem ser encontrados no Youtube.

Recomendo vivamente que, antes de apertar o botãozinho do vídeo, você providencie um saquinho de papel para emergências estomacais. Vai precisar.




Em seguida, outro vídeo, este só em inglês, de um total de oito, que mostra uma conferência de Susan Lindauer numa igreja metodista americana, para um público formado por membros de uma organização que exige novas investigações sobre o que aconteceu com as torres gêmeas.



Susan Lindauer também lançou um livro sobre o assunto, que ainda não tive a oportunidade de ler. Seu website - que tem o mesmo nome do livro, Extreme Prejudice (ou Preconceito extremo) -  pode, e deve,  ser visitado aqui. Nele, Susan, como profunda conhecedora da Líbia, dá também explicações claras e detalhadas sobre as verdadeiras causas do ataque "humanitário" àquele país. Imperdível. Aproveitem antes que a máfia dê um jeito de sumir com esse material.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Quem financia os grupos "católicos" pró-aborto

Obama condecora Buffett por serviços prestados
 à causa do massacre das criancinhas no mundo inteiro

Vale a pena visitar o site da Catholic League, entidade americana que luta em defesa da Igreja.

Entre outras coisas, ficamos conhecendo no site um dos grandes patrocinadores da organização anticristã Católicas pelo Direito de Decidir, que incentiva o massacre das criancinhas ainda no útero da mãe com financiamento do Estado e, o que é mais importante, com as bênçãos de setores do clero "progressista" , de tenebrosa fama.

O mecenas dessas herdeiras de Herodes é o bilionário americano Warren Buffett, famoso por gastar bilhões para a disseminação do aborto pelos 5 continentes. Um idealista! Segundo o artigo da Catholic League, só em 2010, Buffett deu à organização pseudocatólica a quantia de 1,7 milhão de dólares.

É sempre instrutivo ver esses movimentos ditos de esquerda, tão ao gosto dos Bofs, Betos e Arns,  sendo financiados por bilionários ultracapitalistas. Mas depois de um tempo, como o esquema sempre se repete, a gente até se cansa.

Sinceramente, eu não gostaria de estar na pele de Buffett, mesmo com  as suas dezenas e dezenas de bilhões. Se, segundo Deus, já é muito difícil que um bilionário entre no reino dos Céus, imagine só um bilionário que tem por hobby incentivar e financiar o aborto.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison

Funk


O funk é uma espécie de música rejeitada unanimemente pelos orangotangos por demasiado animalesca.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Idolatria e TV



Toda a campanha anticristã levada adiante pelas "igrejas evangélicas" se baseia no ataque à suposta idolatria da Igreja. Por uma leitura literal e obtusa do livro do Êxodo, reduzem a idolatria, o culto a tudo o que não é Deus (como Mammon), à presença de imagens e estátuas nos templos católicos. O pior é que a principal arma nessa ofensiva é a TV, ou seja, as imagens. Imagens contra imagens. A IURD, a Mundial, etc. vivem da TV, ou seja, da imagem. Durma-se com um barulho desses.

Crédito, banqueiros e verdade


O que está por trás do caos financeiro é o excesso de crédito.
O que é uma ironia, pois todo crédito se fundamenta na veracidade, e ninguém mais mendaz do que os banqueiros. O excesso de crédito é na verdade excesso de descrédito.

Sobre a guerra, a evolução e a alquimia

Francisco I

Dizia Hegel que, em continentes onde há grandes espaços vazios, como a América, não há história, pois em situações de conflito, as duas partes podem simplesmente ir cada uma para o seu lado, havendo tanta terra livre por explorar.
Para haver guerra, é preciso haver amor e ódio. Como dizia Francisco I: "Eu e Carlos [o Imperador] concordamos em tudo. Ambos queremos Milão".
Encontramos em Empédocles de Agrigento considerações desse tipo, que estão na base da alquimia, que por sua vez serve de fundamento à Ideologia Inglesa, a qual se articula na física newtoniana, no evolucionismo de Darwin, na maçonaria corrupta e no capitalismo liberal, que emporcalham o mundo.
Mais sobre isso na revista Culture Wars de janeiro, do Dr. E. Michael Jones. Vale a pena.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Platão e a TV

Qualquer semelhança com as TVs de plasma
 gigantes não é mera coincidência

De um pensador anônimo francês acerca da TV:

"O mito da caverna de Platão em todo o seu esplendor".

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Guillaume Dufay: Moteto Ecclesiae Militantis



Vejam só que música feia que o Dufay fez para a eleição do Papa Eugenio IV, em 1431. A  interpretação é do Huelgas Ensemble.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

A criação eterna


Uma vez que a relação entre eternidade e tempo não pode ser pensada em termos temporais, é simplesmente errado dizer que a criação, enquanto ato de Deus, se situa no passado. O que se pode é dizer que, em relação a nós, o primeiro momento do mundo se encontra numa situação de anterioridade. O ato de criação, porém, não é o primeiro momento do mundo, nem é anterior a ele.
Tampouco pode ser concebida como ato presente, pois também o presente é noção temporal.
E evidentemente não é um ato futuro.

À Glória de Jesus


Lembrete: Jesus Cristo, o homem que criou o universo com o Pai.
O mais imperdoável nos "evangélicos" é terem arrastado na lama o nome do "sr. Jesus" com seus descarregos e orações por dinheiro e cura de hemorróidas.

sábado, 21 de janeiro de 2012

A vitória da Igreja


Quando vejo a negra miséria do mundo de hoje, coisas como a blasfêmia diária da IURD impingindo a apostasia a massas espiritualmente desamparadas, a prostituição e as drogas em crescimento vertiginoso, a corrupção ampla, geral e irrestrita do meio político brasileiro e mundial, o poder quase absoluto das sociedades secretas, a mentira deslavada como única norma da grande imprensa, as massas bestializadas pela pornografia e pela desinformação, o futebol como coisa em si, a tecnologia desgovernada, em meio a todo esse horror, enche-se a minha alma de profunda esperança. Por quê? Porque isso tudo não pode durar muito, e quando a casa ruir, a única coisa que vai continuar de pé é a nossa santa Igreja católica. Porque a Igreja não tem absolutamente nada a ver com tudo isso. Tudo isso foi criado contra ela, alimentado contra ela e contra ela vai chocar-se e quebrar-se, pois temos as promessas de Cristo de que nada poderá vencer a Sua Igreja.

Isso tudo sem falar de outros problemas mais "técnicos" que se acumulam em toda parte: poluição ambiental, explosão populacional e seu pendant ainda mais nefasto, o controle populacional pelo aborto, a fome, o caos financeiro, riscos de epidemia, terrorismo, guerra biológica, química e nuclear, catástrofes naturais de grandes proporção etc. Podemos escapar de alguns deles, mas de todos eles juntos, é impossível.

Quando a casa cair ou será o dia do Juízo, e aí a Igreja ganha por definição, sendo Cristo o seu chefe. Ou se prolongarão ainda por algum tempo os tempos, e neste caso será a Igreja que vai conduzir os trabalhos de reconstrução.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Sexo, família e frequência à missa



Tenho notado uma mudança na frequência à Missa de uns tempos para cá. Se até alguns anos atrás o predomínio do elemento feminino era esmagador, atualmente nem sempre é assim. Hoje, por exemplo, na missa das 6, a proporção era de uma mulher para cada cinco homens.

Qual a razão, não sei. Também não sei se é um fenômeno geral ou se se limita a algumas paróquias ou alguns horários.

Mas, se real, essa mudança, segundo alguns, poderia até ser boa para a Igreja, que teria sofrido, segundo eles, uma feminização excessiva nos últimos séculos.

Isso, porém, deve ser tomado cum grano salis. O espírito não tem sexo, e é claro que o ambiente da religião espiritual por excelência é bem diferente do do futebol. Como dizia São Paulo, há uma guerra entre a carne e o espírito, e nessa guerra a sensualidade e a acentuação dos caracteres sexuais lutam do lado da carne, é óbvio. Mas se por um lado se pode falar de certa feminilidade relativa do clero masculino, também se pode notar que as freiras não se caracterizam por uma feminilidade exuberante. Por que isso? Pela espiritualidade mesma da Igreja. Não se trata de feminilização, mas de espiritualização, com o consequente arrefecimento da sexualidade, tanto de mulheres como de homens.

É claro que esse processo não pode ser confundido com o homossexualismo e a pedofilia que tomaram conta de parte da Igreja pós-conciliar, no show de horrores que vimos presenciando. Essa perversão hedionda representa o fenômeno oposto, a exacerbação da sensualidade em meio a setores do clero tão distantes da espiritualidade cristã que chegam a duvidar da existência do mesmo espírito!

Mas, voltando à frequência à Missa, há outro dado que me parece triste: é a ausência quase total das famílias. São poucas as famílias inteiras que vemos nas Missas de domingo.

Nesse ritmo, daqui a pouco teremos uma Igreja composta por gente sem família que defende intransigentemente a família. Mas só com palavras.

Edir Macedo reconhece oferecer merda aos devotos da Igreja Universal



Pastor Caio Fábio revela conversa que teve com o "homem de Deus".

É preciso admitir que a IURD inaugura um novo capítulo na história do protestantismo.
O título é "Cristianismo fecal" e é todo ele escrito em papel higiênico.

Ruy Barbosa, a maçonaria e o tráfico negreiro


É notório que a proclamação da República foi um golpe maçônico orquestrado contra a catolicíssima princesa Isabel, que, pouco antes, instada pelo papa Leão XIII, decretara a abolição da escravatura no Brasil.
Um ano depois, o maçom Ruy Barbosa - um dos escritores mais chatos da história da humanidade, aliás - ordenou a destruição de toda a documentação referente ao tráfico de escravos no Brasil.  Literalmente, a maior queima de arquivo da história do país.
Por que será?
Será que os maçons tinham algum cadáver escondido nos porões dos navios negreiros? Ou será que esses cadáveres se contavam às centenas de milhares?

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

As marcas do tempo


A cruz é a ponte que atravessa o abismo entre a eternidade e o tempo. A mesma Criação criou esse abismo,  alargado depois pelo pecado. Mas as marcas da fratura continuam, assim como os estigmas no corpo de Jesus ressuscitado. As marcas do tempo.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Sigrid Undset acerca do paganismo



"O paganismo pré-cristão era um poema de amor ao Deus que permanecia escondido, ou uma tentativa de ganhar o favor dos poderes divinos cuja presença os homens sentiam ao seu redor. O novo paganismo é uma declaração de guerra contra o Deus que Se revelou."


Sigrid Undset (1882-1949), norueguesa, foi uma das maiores romancistas do século XX, ganhadora do prêmio Nobel de literatura de 1928. Sua conversão ao catolicismo em 1924 foi um grande escândalo na Noruega luterana da época. 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Garabandal e Fátima: dois pedidos recusados?

Conchita é a segunda da esquerda para a direita.

Segundo Malachi Martin, toda a catástrofe que se abateu sobre a Igreja nos últimos 50 anos se deve à recusa, por parte do papa João XXIII e seus sucessores, de satisfazer ao pedido da Virgem de Fátima de consagração da Rússia à Mãe de Deus. Dever-se-ia a negação a considerações de ordem política.

Consta que Conchita, a principal vidente de Garabandal, teria sido obrigada pelo bispo de Santander a assinar um documento em que se comprometia a nada fazer ou dizer para a difusão das aparições, por ele consideradas espúrias.

É notório que depois disso a vida de Conchita se passou num anonimato quase absoluto e que o anúncio do milagre prometido ainda não aconteceu, passados quase 50 anos do fim das aparições.

É verdade que, segundo as videntes, o Milagre seria precedido do Aviso que, este, não seria anunciado por ninguém e aparentemente, portanto, não poderia estar condicionado a algum anúncio. Pode-se, porém, retorquir que a simples perspectiva de que o passo seguinte ao Aviso, qual seja, o anúncio do Milagre da parte de Conchita, implicasse uma desobediência à autoridade da hierarquia poderia inibir todo o processo. Pois seria impossível que a Virgem ordenasse a desobediência.

Além disso, como se trata de matéria que envolve datas e tempos, por um lado, e a eternidade, por outro, a questão complica-se ainda mais. Pois tudo o que toca a eternidade está fora do tempo e, portanto, sujeito a uma causalidade atemporal.

As tenebrosas origens da Renovação Carismática


Pela primeira vez na gloriosa história da Igreja, um movimento que reivindica a identidade católica ostenta inequívocas origens protestantes. E que origens! Nada menos do que o que de pior o furor sectário dos filhos de Lutero  produziu desde a afixação das 95 teses nas portas da igreja de Wittenberg.

Para  os interessados em conhecer a frondosa árvore genealógica das heresias que abriram caminho para o surgimento da RCC, recomendo a leitura do livrinho de Brian Hughes, History of Charismatic Movement, que pode ser encontrado aqui, e de seu What Spirit is This - A Treatise on the Charismatic Movement, que pode ser lido aqui. Apesar de certas ingenuidades e erros, sobretudo no que se refere aos heréticos e heterodoxos católicos, Brian Hughes fez um bom trabalho ao exibir uma visão panorâmica do rio de heresias que desemboca na RCC, desde os montanistas até o neopentecostalismo americano, passando por anabatistas, wesleyanos e outras monstruosidades teológicas:


"Pois esses sui-generis "católicos neopentecostais", que tanto se esforçam para reconciliar a essência de seu pentecostalismo com a plenitude da verdade tal como possuída e proclamada contínua e indefectivelmente pela Igreja Católica, vão uma hora ter de enfrentar o problema da história e origem do pentecostalismo e do chamado "movimento carismático ecumênico" (que é, afinal, seu indubitável ponto de origem) e suas errôneas ideias acerca da verdadeira natureza dos "carismas" e seu verdadeiro lugar na vida da Igreja. Terão também por fim de reconhecer o falso irenismo praticado pelos líderes do movimento, baseado numa suposta "unidade no Espírito" que é, na realidade, a subordinação das verdades da revelação, das Divinas Verdades contidas nas Escrituras e na Tradição e ensinadas com autoridade pela Igreja ao longo de toda a sua história, a uma experiência compartilhada, subjetiva e espiritualmente dúbia, chamada em geral de "Batismo no Espírito", e mais todos os fenômenos concomitantes que ela envolve. Se estas palavras parecem duras, ainda mais duro contra a verdade católica é o que é sugerido por muitos líderes do movimento carismático radical - a ideia de que esta geração possui, em virtude da "efusão" ou "última chuva", uma plenitude do poder do Espírito que foi um tanto mitigada ou oculta (depois da Igreja Apostólica) em épocas  anteriores da história da Igreja - para manifestar-se de novo apenas como um "Novo Pentecostes", tal como articulado pelos movimentos pentecostal e carismático do século XX."

Sábias e incontornáveis palavras.

domingo, 15 de janeiro de 2012

O Espírito e o Concílio



Na minha modesta opinião, duas vezes o Espírito manifestou a sua presença no Concílio Vaticano II.

Uma, quando, apesar das maracutaias, politicagens, pressões de lobbies que infestaram o Vaticano naqueles tempos, todas elas visando a destruir a integridade da Fé católica, Ele não permitiu que nenhuma heresia fosse decretada nos textos conciliares. Houve ambiguidades e ambivalências, sim, mas nada que comprometesse o ensino da Igreja em matéria de fé e moral.

Outra, quando, ante a loucura dos que blasfemavam o seu nome ao invocaram não se sabe qual "espírito do Concílio" como fiador de sua fúria contra a doutrina e a vida da Igreja, a ação do Espírito foi tão devastadora, a decadência da "Igreja pós-conciliar" tão retumbante e manifesta, que não restou nenhuma dúvida sobre a malignidade dos que O blasfemaram. O que abre caminho para a restauração da Igreja que se inicia no pontificado de Bento XVI.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Cracolândia e impunidade

Cena da Cracolândia no Google Street

Enquanto a polícia inferniza os miseráveis viciados da Cracolândia, os grandes traficantes divertem-se em Brasília, nos Jardins, em NY, Amsterdã, Taiti etc. absolutamente certos da impunidade. E na certeza de que seus lucros não correm o mínimo risco  com operações desse tipo.
Toda essa mise en scène não passa de uma prova do desespero do poder público diante de sua impotência ante os senhores da droga - que são, em muitos casos, seus próprios senhores.
Querer combater o tráfico sem tocar nos senhores da droga é o mesmo que enxugar a banheira com as torneiras abertas.

Aqui, no Google Street, um bom flagrante de como era até poucos dias a Cracolândia, na esquina da Rua Helvétia com Alameda Dino Bueno.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Nova Constituição húngara abre espaço para a proibição do aborto

Viktor Orban, primeiro-ministro da Hungria

Finalmente uma notícia um pouco menos abjeta no âmbito da política internacional.
Entrou em vigor esta segunda-feira a nova Constituição da Hungria. Em meio aos apupos da máfia que domina o planeta pela bestialização sexual e imbecilização audiovisual, a nova Constituição reconhece que a vida começa com a concepção e, ó horror,  ainda faz em seu texto menção expressa a Deus: "que Deus proteja a Hungria." Pecado mortal para os cultores satânicos da nova ordem mundial.
Tal blasfêmia contra o príncipe deste mundo tem valido ao chefe do governo húngaro, Viktor Orban, a acusação de fascista. Claro, isso de reconhecer que o feto é um ser vivo pode ameaçar a carnificina das criancinhas por nascer, que faz anualmente 250 mil vítimas só na Hungria! E sem o aborto, com que vão divertir-se as nossas queridas feministas húngaras?
Não, isso é intolerável! Assim que os boys concluírem o trabalho na Líbia e no Irã, têm o dever MORAL de varrer do mapa também a Hungria, como punição por essa nauseabunda nova constituição.

Neste ritmo, daqui a pouco andar sobre as duas pernas e comer com garfo e faca valerá uma condenação à morte por crime contra a humanidade.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Anselm again

Em certo sentido, o espírito do argumento de Anselmo subjaz a todo o catolicismo. Não por acaso, a prova ontológica é a única criação 100% católica que se tornou parte fundamental de toda a filosofia Ocidental até hoje. Não há filósofo posterior ao santo bispo de Cantuária que seja indiferente ao argumento ontológico. Kant, por exemplo, escreveu a Crítica mirando essencialmente a essa espantosa prova a priori. Só mesmo a Igreja católica poderia ter feito essa contribuição à Metafísica.
.
Pois a doutrina católica é em sua essência um louvor contínuo ao Deus infinitamente perfeito e amável: ela afirma e ao afirmar louva, pela essência mesma do seu objeto. O Deus uno e trino revelado pela encarnação do Verbo é de tamanha perfeição que não se pode falar sobre Ele sem glorificá-Lo. Esta é uma verdade existencial básica na vida do cristão. O que Anselmo fez foi transpor essa vivência que respirou na espiritualidade da Igreja para o plano da metafísica. A infinita perfeição não pode deixar de ser verdadeira. A Fé não pode ser vã, é impossível que uma doutrina infinitamente bela seja falsa, é impossível que um ser infinitamente perfeito não seja.

Em termos meramente humanos, o cristão é gaté pela incomparável beleza da ideia de Deus. Aquele que meditou sobre as verdades essenciais da Fé católica jamais vai poder contentar-se com menos do que o Deus infinitamente infinito revelado na Criação e na Eucaristia.

Uma paródia do argumento ontológico

Santo Anselmo de Cantuária

É notório que os argumentos ontológicos pela existência de Deus não gozam de muito prestígio entre os tomistas. Não resta dúvida, porém, de que a descoberta de Santo Anselmo marca um dos momentos capitais da história da filosofia. Basta dizer que Descartes, Leibniz e Gödel - três dos maiores matemáticos de todos os tempos - deram sua adesão a ele.
No mínimo, a prova ontológica é um dos mais interessantes e férteis raciocínios já elaborados pela mente humana. Deu origem a uma inumerável prole de outros raciocínios poderosos, tanto a favor como contra, desde Gaunilo, um contemporâneo de Anselmo do século XI, até Alvin Plantinga, um dos maiores filósofos americanos da atualidade, criador e defensor de uma nova variante da prova a priori..
Ao lado desse intenso debate filosófico, houve também bom número de desenvolvimentos anedóticos do argumento
Aqui vai a tradução de uma dessas curiosidades, uma paródia de autoria de um professor de filosofia australiano, Douglas Gaskin. O original inglês pode ser encontrado no artigo sobre os argumentos ontológicos da Stanford Encyclopedia of Philosophy, cujo autor é Graham Oppy:
  1. A criação do mundo é a maior façanha imaginável.
  2. O mérito de uma façanha é o produto de (a) sua qualidade intrínseca e (b) da habilidade do seu criador.
  3. Quanto maior a falta de habilidade ou deficiência do criador, mais impressionante a façanha.
  4. A mais formidável deficiência para um criador é a não existência.
  5. Portanto, se supusermos que o universo é o produto de um criador existente, podemos conceber um ser maior — a saber, um que tenha criado tudo sem existir.
  6. Um deus existente, portanto, não seria um ser de que um maior não se pode conceber, pois um criador ainda mais formidável e incrível seria um deus que não existe.
  7. (Portanto) Deus não existe.
Realmente. Se um mundo criado por uma minhoca já seria absolutamente espantoso e inverossímil, que não dizer de um mundo ateu, criado por algo ainda mais insignificante do que a minhoca: o não-existente?
Como diz Gasking, isso é incrível - ou seja, impossível de se crer.

domingo, 8 de janeiro de 2012

A Bíblia na Bíblia


A Bíblia nunca foi, não é nem pode ser critério único de verdade. Mesmo porque toda a autoridade do livro está no autor, e o autor da Bíblia é a Igreja, que estabeleceu seu cânon. Mais louco ainda é querer usar o livro contra o autor, ainda mais quando o autor está vivo e ativo, como a Santa Igreja, que já participa da eternidade.

Mas mesmo concedendo por absurdo a exclusividade da Bíblia como critério de verdade, os protestantes não saem melhor na foto. Vemos nos Evangelhos e nos Atos os cristãos que se reúnem ao redor de Jesus e o acompanham; os apóstolos que participam da primeira Missa com Ele em Jerusalém etc. Ou seja, é a presença da pessoa de Cristo que está no centro dos Evangelhos, exatamente como na vida da Igreja, por meio da instituição (100% bíblica) da Eucaristia. Mas não há na Bíblia o menor indício de que o objetivo da encarnação do Verbo fosse a produção de um livro que servisse de guia aos seguidores de Cristo.Cristo não morreu para abrir uma editora. Nem sombra de Bíblia na Bíblia...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Malachi Martin


Dizem vozes autorizadas que o padre tradicionalista irlandês Malachi Martin teria sido um traidor, que se teria vendido à anti-Igreja durante o Concílio, de que participou como secretário do cardeal Bea. Li os argumentos apresentados pela acusação. Alguns documentos são mesmo estranhos, mas estão longe de constituir prova cabal de culpa.

De qualquer forma, não são suficientes para tirar o mérito das obras do padre Martin, certamente um dos autores católicos mais talentosos do século XX. Homem de vastíssima erudição, escritor genial, o padre Martin falava 20 (vinte) idiomas.

No Brasil, foram editados dois livros dele, um sobre os Jesuítas - ordem de que fazia parte até se desligar, por desavenças quanto aos descaminhos tomados depois do Concílio Vaticano II - e outro sobre possessões demoníacas - Reféns do Diabo. Ambos são leitura obrigatória. O segundo conta a história de 5 casos reais de exorcismos, praticados por sacerdotes do círculo de relações do padre Martin - ele mesmo um exorcista.

 Para os que leem inglês, ainda mais obrigatória é a leitura do seu capolavoro, o monumental Windswept House, romance sobre a infiltração do Mal nos recintos da Igreja de Cristo, sobre a extensa malha satânica que rege o planeta  e as forças que a combatem em nome de Cristo. E que serão vencedoras, como sabemos pela promessa do mesmo Verbo encarnado.

Kyrie Eleison, Christe Eleison, Kyrie eleison.

Quem vai pagar a troca das próteses de silicone no Brasil?


No Brasil, foram fabricadas com material de segunda e terão de ser retiradas cerca de vinte mil próteses de silicone para seios e outras partes não menos vertiginosas da anatomia feminina. Na Sodoma piorada em que vivemos, não podia dar outra.
Amanhã, o órgão do governo que regula esse tipo de porcaria vai se reunir para definir quem é que vai pagar pelas cirurgias de remoção.
E já desponta um grande favorito.
Sabe quem é?
Você.
Claro.
Se 20 mil dondocas, prostitutas e globais forem obrigadas a se desfazer de seu instrumento de trabalho, nada mais justo do que fazer você pagar por isso, meu amigo.
Assim como amanhã você vai ter que pagar pelo aborto das adolescentes. Claro.
Nada mais justo.
Nada mais justo também do que o inferno que vai ser o ponto final para toda essa gentalha.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Sonho de consumo


Eu tento, tento, mas não consigo imaginar nada mais cursi do que uma tv de plasma de 5 metros quadrados no meio da sala.

Rock'n'roll e castidade


É simples: castidade e rock'n'roll são coisas incompatíveis, porque o rock é uma expressão da sensualidade. Não é à toa que os mais autênticos rockeiros sejam os adolescentes a boiar num mar de hormônios.
Daí a sabedoria das velhas normas sobre a música litúrgica e o canto monástico.
As missas ao som de rock e música de gafieira não prenunciam nada de bom.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Aristóteles e a neurologia


É bem provável que Aristóteles tenha sido o ser humano mais brilhante de todos os tempos - embora certamente não da eternidade. A mesma Igreja de Cristo presta-lhe homenagem por intermédio de seu doutor máximo, Santo Tomás de Aquino. Mente universal, dominou e ampliou toda a ciência de seu tempo, e em alguns domínios, como a metafísica, seu saber permanece insuperado.

Não há dúvida, porém, de que a neurologia não era o seu forte. A tese de que a sede do entendimento é o coração e o cérebro não passa de um refrigerador do corpo não chegou a entusiasmar a posteridade. Mas nem tudo está perdido.

Em seu livro Mind Wide Open (p 178ss), o escritor americano Steven Johnson submete-se a uma  ressonância magnética do cérebro. Bem no meio da sessão, ocorre-lhe uma grande ideia para um texto. Terminado o procedimento e conferidas as imagens do momento da inspiração, o que se via é que naquele momento o seu cérebro não apresentara nenhum foco especial de atividade. A imagem estava limpa, sem as "fagulhas" aqui e ali comuns no funcionamento normal do cérebro.

O que faz lembrar o texto clássico da Física do estagirita (VII, 247b):

"Não há alteração na parte dianoética da alma. (....) A aquisição inicial da ciência não é nem geração nem alteração: com efeito, o homem torna-se conhecedor e sábio mediante a quietude e a distensão da alma. Isso acontece do mesmo modo como o homem, quando desperta do sono ou se livra da embriaguez ou se restabelece de uma doença, nem por isso adquire a ciência; e embora antes não pudesse nem praticá-la nem atuá-la, só em seguida, removida a perturbação e de volta o pensamento à calma e à distensão, a potência ligada ao uso da ciência pode passar ao ato."

Talvez o susto tivesse sido menor se Johnson e a médica que o examinou tivessem antes lido a Física.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Deus, o Senhor do tempo


Se for correta a doutrina agostiniana da criação "simultânea" do tempo e do mundo, Deus é o senhor do tempo e a partir daí as perspectivas são assustadoras de tão majestosas.


Não será isso a eternidade, a liberdade em relação ao tempo?

E o que dizer dessa liberdade se o tempo, como pensa Heidegger, é o horizonte do ser?

E il naufragar m'è dolce in questo mare...

De Gregório de Nazianzo a Basílio, o Grande

São Gregório de Nissa, São Basílio, o Grande, 
e São Gregório Nazianzeno. Manuscrito grego do século IX

No dia de sua festa:

Lembro-me e sempre me lembrarei daquela cabana sem teto nem porta, daquela lareira sem fogo nem fumaça, daquilo que chamávamos de pão e sopa, em que o dente deslizava entre os pedaços para depois sair como de um cimento! [...] Quem nos trará de volta aqueles dias em que trabalhávamos juntos até a noite? Em que ora cortávamos a lenha, ora talhávamos as pedras, em que plantávamos e regávamos as nossas árvores? Em que arrastávamos juntos aquela carroça pesada cujas marcas ficaram por tanto tempo nas mãos? Quem nos trará de volta aquele canto dos salmos e as noites passadas em claro e aquelas peregrinações rumo a Deus na oração? E aquela vida quase imaterial e incorpórea? E aquela amizade e unanimidade dos irmãos?

[Cartas a Basílio, 7 e 9]