Pesquisar este blog

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Dembski e a vitória final do ateísmo


Se para que o público brasileiro conheça a obra importantíssima do matemático, filósofo e teólogo ortodoxo americano William Dembski tivermos de esperar pela lucidez das editoras católicas e se, além disso, o darwinismo estiver certo, provavelmente seu primeiro título publicado no Brasil será lido só pela espécie que suceder ao homem na cadeia evolutiva. Quem sabe algum tipo de minhoca informatizada?

Tentando dar ao público brasileiro um vislumbre do que está perdendo, aqui vai a tradução do epílogo de seu divertido e arrasador livro contra Dawkins, publicado 3 anos atrás:

Derrotar o inimigo é derrotar seu mais forte campeão. Assim, quando Israel derrotou os filisteus, bastou a Davi derrotar Golias. Depois disso, os filisteus fugiram. O inimigo do ateísmo é o teísmo, e o Golias por ele enfrentado é o problema da origem da vida. Um ateísmo intelectualmente consumado procura a ciência para derrotar o teísmo. Mas o "Davi" do ateísmo não está à vista; a ciência está longe de salvar o ateísmo.


A ciência coloca muitos obstáculos ao ateísmo, e o maior deles é a origem da vida. Darwin contornou o problema, como notamos acima. É absurdo, portanto, invocar  Darwin como fiador de um ateísmo intelectualmente realizado, como faz Richard Dawkins. A teoria de Darwin, ainda que fosse abundantemente confirmada (o que não é o caso), de nada serviria para resolver o problema da origem da vida.


Até a ciência poder mostrar que processos físicos que operem sob condições prebióticas realistas possam produzir células completas a partir de materiais não viventes, a realização intelectual continuará sendo para os ateus um castelo no ar. Como este livro documentou com grande minúcia, os processos físicos dão provas de trabalharem contra a formação das estruturas e complexos moleculares necessários para a vida. Se a realização intelectual depender da confirmação científica, o ateísmo - apesar de sua longa e lúgubre história - não passa de uma fé especulativa.


O ateísmo é uma crença com pretensões científicas, mas nenhum esteio científico. Promete libertar das superstições mas é ele mesmo escravo da superstição. É uma ideologia ainda mais intolerante e aviltante do que tudo o que Dawkins ataca em The God Delusion.

(William Dembski e Jonathan Wells, How to be an Intellectually Fulfilled Atheist (or Not); Wilmington, ISI Books, 2008. Epiloguie, p. 108. Tradução de Yours Truly)

Nenhum comentário:

Postar um comentário