Pesquisar este blog

sábado, 6 de novembro de 2010

Bento XVI em Santiago de Compostela condena a ferocidade laicista da máfia anticatólica que governa a Espanha


Durante entrevista concedida a jornalistas a bordo do avião que o levava à Espanha, em viagem de peregrinação a Santiago de Compostela, o papa Bento VI condenou o "laicismo agressivo" do governo espanhol que,  com a aprovação nos últimos anos de todo tipo de porcaria política, como a facilitação do divórcio, do aborto e a legalização do acasalamento de homossexuais,  tem se esforçado ao máximo para despojar o povo espanhol  do tesouro espiritual que séculos e mais séculos de oração e santidade ajudaram a forjar. A ideia é não deixar pedra sobre pedra neste mais belo de todos os bastiões da Igreja que é o catolicismo espanhol.

O papa comparou o ódio que hoje impera nas camadas dirigentes da Espanha ao que reinou na República espanhola dos anos 30, quando hordas de pobres-diabos fanatizados e  manipulados pelas grandes máfias internacionais queimavam igrejas e assassinavam padres e religiosos aos milhares, com requintes de crueldade. Muitos chegavam a cortar a cabeça dos sacerdotes para fazer delas bolas de futebol em suas peladas. Foi a visão de uma cena dessas que fez a grande Simone Veil desistir de apoiar os republicanos espanhóis e aprofundar o caminho que a levaria ao batismo e à conversão final.

Segundo o papa, é na Espanha que mais uma vez se trava a grande batalha entre a Fé e o laicismo, algo que se deve à histórica espiritualidade do povo espanhol, que deu ao mundo, com Santo Inácio e os dois grande santos carmelitas, as primícias do catolicismo moderno.

É claro que as palavras do papa não foram bem recebidas pelos mafiosos de sempre e pela imprensa por eles patrocinada para bestializar o povo espanhol. Bom exemplo disso é o asqueroso jornal anticatólico El Pais, que simplesmente censura todas as manifestações a favor do papa nos comentários de seus mentirosos artigos online. É o de sempre: atacam a Igreja em nome de uma liberdade que são os primeiros a assassinar desde que a situação lhes seja favorável, como aconteceu na Espanha republicana, na Rússia de Lênin e Stalin e ainda acontece na China de hoje.

Parabéns ao papa pela coragem. Se não fosse ele, quem ousaria e quem poderia fazer chegar a verdade ao povo espanhol em processo de lavagem cerebral?

Vale a pena também ler no site do Vaticano a bela homilia pronunciada hoje pelo Santo Padre na Basílica de Santiago sobre a essência da Fé apostólica. É por estas e outras que Bento XVI vem se assinalando, para além de seu carisma como Sumo Pontífice e Sucessor de Pedro, também como um dos maiores intelectuais da atualidade, o que o torna também sucessor de Paulo, de Agostinho e de Tomás.

Um comentário: