Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

PSDB e PT: farinha do mesmo saco



Sábias palavras de Dom Lourenço Fleichman acerca das eleições e da política brasileira no site Permanência:


O brasileiro mais sério, que guarda a moral católica, zeloso em manter os princípios civilizacionais que criaram o Brasil, não tem opção. A que tipo de oposição assistimos? Que coisa ridícula é essa, de um partido de esquerda, que se diz de centro-esquerda, apresentar um candidato que tem como grande trunfo ter sido líder da UNE? E se acha muito inteligente por ter tido um passado comunista! Cheguei à conclusão que o PSDB nada mais é do que um partido tampão. Ele atua na área política para neutralizar a oposição. Geraldo Alckmin foi literalmente abandonado pelo partido no meio das eleições. E Serra faz parte do time que estabelece esse tipo de política falsificada, onde o que menos importa é um programa de governo. 


É evidente que as esquerdas armaram uma cilada depois de tomarem o poder na década de 1980. Tomaram conta dos dois polos da vida política e dividiram o campo inteiro entre eles, expulsando e criminalizando a direita. O segredo da jogada foi justamente conseguir fantasiar marxistas notórios como FHC e José Serra de homens de "centro" e barreiras contra os "radicais" do PT. PT e PSDB são farinha do mesmíssimo saco. Ambos se compõem em 90% por comunistas estilo Wall Street, que venderam suas velhas convicções igualitárias (será que um dia as tiveram?) para os bancos e a grande finança, sem se decompor como grupo, como máfia.

Com esse pessoal  fechando o horizonte da política (e não só no Brasil!), não é de espantar a gomorrização da sociedade a que assistimos. 


O católico não tem lugar neste cenário. Tem de votar nulo.


E meus pêsames à CNBB que em 40 anos de atuação política não conseguiu formar NENHUMA liderança política católica. Sem falar, é claro, dos circenses Levy Fidelix e José Maria Eymael ou de Plínio de Arruda Sampaio, defensor entusiasta da caça aos nascituros.  Triste fim da Teologia da Libertação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário