Pesquisar este blog

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Considerações sobre a Transfiguração do Tabor - R.P. Crasset, SJ (1618-1692)

Monte Tabor visto de Nazaré

I Ponto. Jesus é transfigurado sobre o Tabor; é transfigurado sobre o Calvário; é transfigurado em nossos altares. A primeira transfiguração é transfiguração de glória; a segunda é transfiguração de ignomínia; a terceira é transfiguração de amor. Para ser transfigurado como Jesus sobre o Tabor, é preciso ser transfigurado com ele sobre o Calvário. Se sofrerdes com ele, reinareis com ele. Se participardes de suas ignomínias, participareis de sua glória.

II Ponto. A segunda transfiguração é a do corpo de Jesus nos altares. Ali, seus trajes são brancos como a neve. Seu rosto é mil vezes mais brilhante do que o sol; mas está coberto por uma nuvem: pois quem poderia, sem isso, suportar o seu esplendor? Estão presentes Moisés e Elias; o entendimento e a vontade conversam sobre o excesso de amor e de dor que Ele cometeu por nós em Jerusalém, pois este divino mistério representa o sacrifício da sua Paixão e é instituído para que conservemos a sua memória.

III Ponto. A terceira transfiguração é a que se faz na Comunhão: nela, um homem é transformado em Jesus Cristo. Já não é um homem, mas Deus; não mais pecador, mas filho de Deus. O Pai Eterno lhe diz o que dizia ao Filho Jesus sobre o Tabor: eis aqui o meu Filho bem-amado, objeto das minhas mais doces complacências. Eis Jesus revestido da figura de um homem que antes era pecador e agora é justo. Já não tem um só corpo e um só espírito; são duas pessoas numa só carne. Vivei, pois, como pessoa transformada em Jesus Cristo. Sejam os vossos pensamentos os pensamentos de Jesus; vossos afetos, os afetos de Jesus; vossas palavras, as palavras de Jesus; vossas ações, as ações de Jesus. Possa Deus Pai em toda parte dizer, ao vos ver: Eis aqui o meu Filho Jesus, objeto dos meus afetos e das minhas complacências.

IV Ponto. A quarta transfiguração é a da alma na oração. Seu espírito é esplendoroso como o sol. Seu coração arde com uma chama celeste. Moisés e Elias, a Lei e os Profetas, conversam sobre a Paixão de Jesus. Gozando as potências do repouso da contemplação, exclamam: Ó Senhor, como é bom aqui, fiquemos aqui para sempre. Tive muita dificuldade para subir até o alto desta montanha; muito transpirei no exercício da mortificação e muito trabalhei o meu espírito pela meditação: mas como estou feliz agora e que profundo  repouso sinto!

V Ponto. A quinta transfiguração é a do Bem-Aventurado no céu. Quando virmos Deus, diz São João, seremos semelhantes a Ele. Quando estivermos sobre esta bela montanha do Tabor, diremos eternamente: Ah! Como é bom aqui! Ah! Como estou contente! Ah! Como minhas fadigas são bem recompensadas! Na espera de cantar este belo Cântico no céu, tratai de vos sentir bem em toda parte onde Deus vos colocar na terra. Seja qual for o lugar ou o estado em que estejais, dizei sempre: é bom estar aqui, pois Deus aqui me colocou; estou bem neste estado de pobreza, de doença, de humilhação e de confusão, pois estou com Jesus transfigurado e ele se acha sempre com os que sofrem e fazem a sua vontade

Nenhum comentário:

Postar um comentário